Pesquisar

Canais

Serviços

Pixabay
Continua depois da publicidade
Continua depois da publicidade
É frotista ou autônomo?

Saiba como garantir maior autonomia nos pneus dos caminhões

Redação Bonde com Assessoria de Imprensa
22 out 2021 às 20:00
Continua depois da publicidade

O transporte de cargas ganha importância por garantir um abastecimento nacional equilibrado. A elevação da autonomia dos pneus aplicados nos caminhões pode ajudar a reduzir os custos dos autônomos e frotistas. Os pneus, em muitos casos, são o segundo fator de maior custo em uma frota, perdendo apenas para o combustível.

Continua depois da publicidade
PUBLICIDADE


A DPaschoal, empresa que presta manutenção para veículos leves e pesados, indica que, na compra, o ideal é optar por um modelo desenhado para o tipo de serviço que o caminhão irá desempenhar, visando garantir maior performance e segurança elevada. 

Continua depois da publicidade
Continua depois da publicidade


 Outro ponto importante para garantir maior durabilidade dos pneus é o rodízio, aconselhável a ser feito, em média, a cada 10.000 km. Porém, é indicado sempre buscar orientação com especialista sobre o momento exato para substituir os eixos de acordo com a cada modelo. 


Leia também: Como fazer a calibragem correta dos pneus do seu carro?


Continua depois da publicidade

No caso dos pneus recapados, o correto é sempre utilizá-los nos eixos de tração e eixos livres, pois a legislação não permite este tipo de pneu nos eixos direcionais dos caminhões. 


Como a recapagem dos pneus ajuda a diminuir os custos operacionais dos caminhoneiros, uma dica importante é procurar um reformador certificado pelo Inmetro e utilizar bandas de rodagem com desenhos indicados para cada aplicação. 


O que ocorre quando a pressão está baixa?


A baixa pressão impacta negativamente na dirigibilidade do veículo, performance, no aumento do consumo de combustível, aquecimento excessivo e reduz a vida útil dos compostos. 


A soma dos fatores citados acima ocasiona um desgaste acelerado do pneu, comprometendo a durabilidade da carcaça e reduzindo a quantidade de recapagens. 


Para evitar a baixa pressão, o recomendado é que o usuário mantenha o pneu calibrado. Também é importante respeitar o peso da carga transportada, verificando a pressão no menor intervalo possível.


Quais os fatores que levam à perda de pressão?


Quando um pneu estiver esvaziando com frequência, é importante fazer uma verificação visual se não existem avarias. 


Outra opção é verificar se ocorreu algum furo no composto. Se mesmo assim a solução não tiver sido encontrada, a terceira causa pode estar nas válvulas dos pneus. Muitas vezes elas se quebram e ocasionam vazamentos sem que o motorista perceba. Tampas de vedação, bloqueio das válvulas e sujeiras nos bicos são os principais inimigos.  


Por fim, verifique como foi feita a montagem dos pneus, já que, às vezes, pode ocorrer vazamentos entre o talão do pneu e a roda.


O que é fazer sangria em um pneu?


A “sangria” dos pneus se caracteriza quando os pneus estão quentes e o usuário retira parte de sua pressão.


Este procedimento não é recomendado e ocasiona diversos danos ao componente. Para exemplificar: ao rodar com o veículo, os pneus naturalmente esquentam – fazendo com que o ar em seu interior se expanda, aumentando assim sua pressão. 


Caso a pressão seja verificada neste momento, o usuário observará que ela está elevada e poderá concluir que é necessário reduzir sua pressão, por este motivo é fundamental que a pressão seja verificada somente quando o pneu estiver frio antes de iniciar uma viagem.

Quais são os danos de pressão alta em um pneu?


Da mesma forma que a pressão baixa interfere no rodar, a alta pressão também resulta em instabilidade na dirigibilidade do veículo. 


Outro ponto é o desgaste irregular, pois faz com que o pneu tenha maior contato com o solo na região central da banda de rodagem, diminuindo a performance quilométrica e elevando o custo por quilômetro (CPK) da frota.

Continue lendo