28/10/20
PUBLICIDADE
Edison  Yamazaki
Edison  Yamazaki
17/06/2013 - 04:57
Imprimir Comunicar erro mais opções
Uma pequena crise de identidade parece rondar o esporte japonês. Depois das meninas da seleção nacional do judô terem feito um abaixo-assinado acusando seus treinadores de assédio moral, fazendo-as treinarem machucadas e ameaçando-as de não serem convocadas para jogos importantes caso não aceitassem as condições dos treinos, agora a crise está no beisebol.
A liga "moderna" de beisebol profissional começou em 1950, com as ligas do Pacifico e
Central compostas por doze equipes que disputam aproximadamente 140 jogos no decorrer do ano.
Os americanos trouxeram o esporte que logo se expandiu rapidamente, tendo grande aceitação por partes dos jovens e posteriormente por parte do governo. A maior prova da força do império americano sobre o beisebol japonês são os nomes da equipes: Hanshin Tigers, Yakult Swallows, Yomiuri Giants, Orix Buffaloes, Rakuten Golden Eagles, Seibu Lions, entre outras.
O esporte é o mais popular da ilha e atrai milhares de torcedores que fazem uma festa à parte nas arquibancadas com as suas cornetas, papéis picados, sanduíches e Coca Colas.
A sujeira dessa vez foi uma tentativa de ajudar os jogadores a rebaterem mais longe as bolas lançadas. A Nippon Professional Baseball solicitou ao fabricante que alterassem as bolas para facilitar as rebatidas. O público e os jogadores, que não sabiam de nada, sentiram uma melhora substancial nos jogos, todos achando que o ocorrido era fruto de muito treino e suor.
De repente, alguém colocou a boca no trombone e tudo veio à tona. Os responsáveis foram chamados para esclarecimentos em meio às câmeras de TV e jornalistas "especializados". As explicações dos cartolas foram tão patéticas que não convenceu ninguém. A imagem do esporte ficou manchada mundialmente porque os japoneses estão sempre bem ranqueados, e recentemente, foram até campeões mundiais da modalidade.
Interessante nisso tudo é que não apareceu nenhum ex-jogador famoso para comentar o caso, mostrando também um corporativismo maléfico que ajuda a denegrir ainda mais a imagem desgastada do beisebol japonês.

Alguns lances bacanas
COMENTÁRIOS
Edison
Abre Olho, Sou a favor dos protestos, mas ele está sendo realizado no momento errado. Brigar contra a Copa a essa altura do campeonato é burrice, coisa de analfabeto funcional. Onde estavam esses imbecis na ora em que o governo lançou a campnha para a Copa?
- 19/06/13 10:50:05
abre olho japa
vc e a favor dos protestos?abre olho BR
- 18/06/13 15:11:23
torcedor
BR 3 JP 0
- 17/06/13 15:47:22
COMENTE ESTE POST

 Caracteres restantes : 2000
Edison Yamazaki
 
Paulistano, preferiu contribuir com o esporte desistindo de ser atleta para estudar Educação Física. Foi da convivência com os seus alunos que ele entendeu que toda emoção que viveu dentro das quadras, dos campos, das pistas e das piscinas é muito mais abrangente do que somente vencer ou perder. Descobriu que as relações humanas e as amizades são tão importantes quanto à saúde e o bem estar. Com isso na cabeça foi para o outro lado mundo e hoje vive em Kyoto.



ARQUIVO
Mês
Ano
AVISO: Opiniões e informações contidas nos blogs hospedados nesta plataforma são de responsabilidade exclusiva dos autores e não refletem os valores do Portal Bonde.
PUBLICIDADE
 
JORNAIS
Folha de Londrina
TELEVISÃO
MultiTV Cidades
OUTRAS EMPRESAS
Grafipress
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Bonde - Todos os direitos reservados