11/12/19
º/º
PUBLICIDADE
Edison  Yamazaki
Edison  Yamazaki
03/03/2019 - 08:13
Imprimir Comunicar erro mais opções
Ultimamente muito se tem falado sobre a entrada de trabalhadores estrangeiros nas indústrias japonesas. É que a partir de abril centenas de vietnamitas, chineses, filipinos, entre outros, começarão a chegar ao país.
Políticos e povo ainda não sabem como lidar com esse pessoal. Dentre as inúmeras consultas e discussões sobre o assunto, chegaram à conclusão de nada, ou seja, parece que os estrangeiros terão que se virar para se inserirem na cultura das indústrias e da sociedade japonesa. Os que são a favor dizem que esse pessoal irá suprir a falta de mão de obra e elevar a produção de muitas indústrias. Os dos contra dizem poderá haver problemas com tantos estrangeiros chegando sem que o país tenha estrutura para recebêl-los.
Tenho a impressão de que essa discussão irá longe, e pior, não chegando à lugar nenhum
Mas, se tem uma área que já deu os primeiros passos para a globalização aqui no país, essa área é o futebol. Desde a criação da J.League muitos foram os estrangeiros que vieram jogar no país, mas nada se compara a este ano. Somente nas dezoito equipes da primeira divisão, vieram atletas de 21 países. Os brasileiros dominam em quantidade com 42 jogadores, seguido da Coréia com 16 atletas.
Mais interessante do que a quantidade de futebolistas, é a diversidade de países de onde chegaram esse pessoal. Este ano vieram jogadores da Inglaterra, Bósnia, Tailândia, Sérvia, Polônia, Luxemburgo, Turquia, Uzbequistão, Espanha, Alemanha, Croácia, Colômbia, Estados Unidos, Moçambique, Holanda, Austrália, Nova Zelândia, Itália, Albania e Suécia, Brasil e Coréia. Nunca, nesses 25 anos da era profissional, houve tanta "miscigenação" dentro das equipes. Juntos vieram preparadores físicos, fisiologistas, assistentes técnicos e treinadores de goleiros, sem dizer que foram necessários intérpretes e infraestrutura para todo esse pessoal.
Interessante é que não houve discussão e nem consultas populares. O povo está gostando de ver e conviver com todo esse pessoal, o que resulta num futebol mais alegre e participativo. Nesses primeiros jogos a média de público aumentou, principalmente entre os jovens e crianças.
Lógicamente que a complexidade em aceitar ou não imigrantes para suprir a falta de mão de obra é centenas de vezes maior, mas observar o que ocorre no futebol pode ser um bom começo para entender que se o objetivo for comum, tudo poderá ficar mais fácil.

Globalização
COMENTE ESTE POST

 Caracteres restantes : 2000
Edison Yamazaki
 
Paulistano, preferiu contribuir com o esporte desistindo de ser atleta para estudar Educação Física. Foi da convivência com os seus alunos que ele entendeu que toda emoção que viveu dentro das quadras, dos campos, das pistas e das piscinas é muito mais abrangente do que somente vencer ou perder. Descobriu que as relações humanas e as amizades são tão importantes quanto à saúde e o bem estar. Com isso na cabeça foi para o outro lado mundo e hoje vive em Kyoto.



ARQUIVO
Mês
Ano
AVISO: Opiniões e informações contidas nos blogs hospedados nesta plataforma são de responsabilidade exclusiva dos autores e não refletem os valores do Portal Bonde.
PUBLICIDADE