Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
Direito à educação

Após mobilização popular, Ceebja de Cambé continuará a funcionar

Douglas Kuspiosz - Especial para a Folha
07 nov 2023 às 08:30
- Douglas Kuspiosz
siga o Bonde no Google News!
Publicidade
Publicidade

A costureira Marcilene de Menezes Nonaka, 51, voltou a estudar há cerca de um ano. Ela frequenta o Ceebja (Centro Estadual de Educação Básica para Jovens e Adultos) Maria do Carmo Bocati, em Cambé (Região Metropolitana de Londrina), e vem tendo uma experiência positiva com o atendimento recebido na unidade.


Esse foi um dos Ceebjas do Paraná - junto com os centros de Lapa, Rio Negro, Mandirituba, Goioerê e de outros municípios - com risco de fechamento. 

Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade
Publicidade


A direção da unidade chegou a confirmar à FOLHA que havia sido notificada sobre o encerramento das atividades em dezembro; mas, nesta quarta-feira (1°), recebeu a confirmação do funcionamento em Cambé por pelo menos mais um ano.

Leia mais:

Imagem de destaque
PR-092

Motociclista morre ao bater contra caminhão em Siqueira Campos

Imagem de destaque
ZONA OESTE

Viadutos próximos da UEL devem receber iluminação por LED até a próxima semana

Imagem de destaque
NESTA QUINTA-FEIRA

Prefeitura promove audiência pública para debater área de expansão urbana de Londrina

Imagem de destaque
Após oito anos

Homem que tentou atear fogo na ex-companheira vai a júri em Londrina


O recuo do governo estadual veio após a mobilização da comunidade escolar da Cambé. Do lado de fora do centro, foram colocados cartazes criticando a medida. “Não tire nossa escola daqui” e “Escola não é gasto, é investimento” foram algumas das frases expostas pela comunidade de Cambé. 

Publicidade


Uma manifestação e uma participação na Câmara Municipal também estavam marcadas.


É um passo importante para alunas como Marcilene, que diz que “é simplesmente maravilhoso fazer parte da turma” e que as aulas têm proporcionado bons momentos. Caso fosse confirmado o fechamento, ela acredita que muitos estudantes teriam dificuldades para se adaptar à nova realidade.

Publicidade


O professor Marcos Kloster, que há cerca de um ano começou a lecionar na unidade de Cambé, ressalta a importância desse tipo de ensino. 


“É uma educação especial. É um aluno que tem que ser acolhido, o espaço precisa ser adequado para ele, diferente da escola regular, com salas enormes e muita agitação, com movimentação de outras turmas que não são do Ceebja”, citando que os centros oferecem um atendimento especializado para esse público. 


“Tem uma série de traumas que o Ceebja toma todo o cuidado para fazer um acolhimento desse aluno. Não é simplesmente mudar de prédio, é algo que tem que ser pensado e o aluno respeitado.”


Leia a reportagem completa na FOLHA DE LONDRINA:


Imagem
Após mobilização, Ceebja de Cambé continuará em funcionamento
Segundo informações da APP-Sindicato, há outros Ceebjas no Paraná com risco de serem fechados
Receba notícias do Bonde no Whatsapp/Telegram e fique por dentro de tudo!
Publicidade

Últimas notícias

Publicidade