Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Compensação por empréstimo

Auditoria da Petrobras comprovou contrato fraudado para beneficiar banco

Agência Estado
26 nov 2015 às 18:41
- Reprodução
siga o Bonde no Google News!
Publicidade
Publicidade

Uma auditoria interna da Petrobras, concluída em maio, confirmou que houve direcionamento indevido para que o Grupo Schahin fosse contratado para operar o navio-sonda Vitoria 10.000 para explorações de petróleo em alto mar. O negócio seria uma compensação pelo empréstimo de R$ 12 milhões do Banco Schahin, em 2004, que teria como destino final o PT.

O intermediador da negociação, de acordo com os investigadores, foi o pecuarista José Carlos Bumlai, apontado como amigo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Bumlai foi preso nesta terça-feira, 24, alvo central da Operação Passe Livre, 21.ª fase da Lava Jato. "Foi aceita uma única proposta para construção do navio-sonda, ao passo que poderia haver um processo competitivo", afirma o Relatório de Auditoria R02.E003/2015, de 18 de maio.

Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade
Publicidade


"O argumento apresentado para escolha da Schahin como operador, que consta no item 9 do DIP INTERDN 17/2007, aprovado pela Diretoria Executiva por meio da Ata 4.624, de 18 de janeiro de 2007, foi de que a Schahin International era detentora dos melhores índices operacionais na Bacia de Campos não se confirmam pelos documentos de avaliação da contratada relativos àquele período", registra o relatório do gerente de Auditoria de Exploração e Produção da Petrobras, Paulo Rangel.

Leia mais:

Imagem de destaque
Levou caso à Justiça

Amazon consegue liminar contra Anatel para vender 'celular pirata'

Imagem de destaque
42 feridos

Sete pessoas da mesma família morreram em acidente com ônibus no interior de SP

Imagem de destaque
Pelo STJ

Transferência de Adélio Bispo para hospital psiquiátrico é suspensa

Imagem de destaque
Cumprindo ordens

Servidores ambientais irão suspender greve após determinação do STJ


O documento anexado ao pedido de prisão de Bumlai informa que a "escolha da Schahin como parceira foi discricionária" e que "os bônus de 15%" a ser recebido pela empresa pela operação do navio-sonda "eram mais altos que os praticados, na faixa de 10%". O documento foi elaborado por uma equipe de quatro auditores, Róbson Costa, Álvaro Rocha, André Luis Alencar e Bianca Madeira.

Publicidade


O documento foi considerado pelo juiz federal Sérgio Moro, que conduz os processos da Lava Jato, uma das provas relevantes de que existiu o esquema de direcionamento e corrupção no contrato revelado por pelo menos quatro delatores.


Relatório de Auditoria R02.E003/2015 confirmou que "houve direcionamento indevido para contratação da Schahin, não estando a escolha amparada por critérios técnicos", destacou Moro. "Em especial, a justificativa utilizada para a contratação da Schahin para operar o navio-sonda não tinha amparo técnico."


Para o juiz, a auditoria da Petrobras iniciada em março e concluída em maio, é "uma primeira e relevante prova de corroboração" da versão convergente contada pelos delatores, entre eles um dos donos da Schahin, Salim Schahin, e o ex-presidente do Banco Schahin, Sandro Tordin.

O empresário e pecuarista José Carlos Bumlai nega que o empréstimo tomado junto ao Banco Schahin tenha sido destinado ao PT. Ele afirma que a operação não tem ligação com a contratação do navio-sonda Vitoria 10000.


Publicidade

Últimas notícias

Publicidade