Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
Aprovada em fevereiro

CNJ suspende medida que proíbe uso de cropped no STJ

André Richter - Agência Brasil
13 abr 2024 às 10:30
- Marcello Casal Jr/Agência Brasil
siga o Bonde no Google News!
Publicidade
Publicidade

O corregedor nacional de Justiça, Luís Felipe Salomão, suspendeu nesta sexta-feira (12) a medida que regulamentou o uso de roupas para entrar no STJ (Superior Tribunal de Justiça), em Brasília. A norma foi aprovada em fevereiro deste ano e provocou debate entre usuários nas redes sociais.


Pela instrução normativa, estava proibido o acesso de pessoas às dependências do tribunal usando shorts, bermuda, blusas sem manga, trajes de banho e de ginástica (legging) e blusas cropped (que mostram a barriga).

Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade
Publicidade


Os trajes permitidos são terno, camisa social e gravata para quem se identifica com o gênero masculino e vestido, blusa com calça ou saia "de natureza social" para pessoas que se identificam com gênero feminino.

Leia mais:

Imagem de destaque
Entenda o caso!

Mãe tenta resgatar bebê brasileira levada à selva de Darién pelo pai biológico

Imagem de destaque
Tragédia

"De cinco ficamos dois", diz gaúcha de Bento Gonçalves que perdeu os pais e tem irmã desaparecida

Imagem de destaque
Envio de mantimentos

Cães e bombeiros do Paraná embarcam para o Rio Grande do Sul para ajudar em buscas por vítimas

Imagem de destaque
Jogo simples custa R$ 5

Mega-Sena acumula e sorteia R$ 37 milhões na próxima terça-feira


Constrangimentos

Publicidade


Na decisão, o corregedor ponderou que as restrições podem causar constrangimentos ao público feminino.


"Verifica-se possível inobservância a tais normativos e diretrizes em seus efeitos, uma vez que, cediço [usual, corriqueiro, sabido de todos] é que especificações alusivas a roupas sumárias e outros trajes como, por exemplo, blusas sem manga ou trajes sumários - são utilizados como meio de abordagem e possível constrangimento ligados ao gênero feminino", comentou Salomão.

Publicidade


Outro lado 


Em nota, o STJ pontuou que não foi notificado  e que considerou "estranha" a decisão de suspensão porque o prazo para responder ao procedimento instaurado pelo CNJ ainda está aberto. 


Para o tribunal, o relator do caso, conselheiro Giovanni Olsson havia pedido informações aos tribunais do país sobre as regras sobre vestimentas. 


"Na última segunda-feira, o STJ encaminhou consulta ao Conselho Nacional de Justiça (CNJ), pedindo orientação em relação ao regulamento que disciplina o tema, considerando que há quase 40 regras no país que tratam sobre vestimenta e circulação em prédios do Judiciário", disse o STJ.


Imagem
Retificação do nome: mutirão atende mulheres travestis e pessoas transexuais em Londrina
Maria, João, Pedro, Júlia…cada nome carrega uma identidade, uma história. Ser chamado pelo nome que você se identifica é um dos direitos mais básicos da dignidade humana.
Publicidade

Últimas notícias

Publicidade