Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
Após áudio viralizar

Em entrevista a influenciador bolsonarista, Sérgio Reis chora e pede famílias nas ruas

Camila Mattoso/Folhapress
17 ago 2021 às 11:00
- Reprodução/Facebook
siga o Bonde no Google News!
Publicidade
Publicidade

Durante entrevista ao influenciador bolsonarista Oswaldo Eustáquio neste domingo (15), o cantor Sérgio Reis chorou, defendeu Jair Bolsonaro e disse que nunca quis agredir ninguém e nem deseja fazer isso agora.


Ele voltou a convocar pessoas para a manifestação organizada por apoiadores do presidente, marcada para 7 de setembro.

Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade
Publicidade


Um áudio em que Reis afirmou que caminhoneiros parariam o país em setembro até que o Senado afastasse os ministros do STF (Supremo Tribunal Federal) de seus cargos disseminou-se durante o final de semana e foi repudiado por políticos de diferentes orientações ideológicas. Líderes dos caminhoneiros disseram que o cantor não os representa.

Leia mais:

Imagem de destaque
Vetos

Lula veta multas para quem não pagar novo DPVAT

Imagem de destaque
Nova atualização

Tragédia com as enchentes no Rio Grande do Sul soma 154 mortos

Imagem de destaque
Tragédia

Aeroporto de Porto Alegre segue fechado por tempo indeterminado

Imagem de destaque
Festa literária

Flip 2024 será em outubro, anuncia organização com cinco meses de antecedência


Em entrevista ao jornal Folha de S.Paulo, a mulher do cantor disse que ele está triste, depressivo e considera que foi mal interpretado.

Publicidade


A Eustáquio, Reis disse que Ângela Bavini, sua mulher, está muito nervosa e chorando muito. Ele também chora no momento em que conta que ela o ajudou muito com projetos quando era deputado federal, em sua tentativa de, segundo ele, retribuir o carinho que sempre recebeu do povo.


"Vocês, as 15 mil pessoas que estão assistindo, estão sabendo o que estamos fazendo. Não pedi que acabasse com nada. Pedi que esses impeachments fossem estudados. Vamos fazer. Se o povo não for para as ruas no dia 7 de setembro, Brasília não vai fechar, então não vai adiantar nada. O Exército não pode fazer nada, o presidente não pode fazer nada, e nós não podemos fazer nada. Nós estamos fazendo a nossa parte", diz Reis ao entrevistador.

Publicidade


Eustáquio diz à reportagem que ele chorou de alegria por defender a pátria.


No áudio que ganhou as redes no fim de semana, Reis afirma: "Se em 30 dias não tirarem os caras nós vamos invadir, quebrar tudo e tirar os caras na marra. Pronto. É assim que vai ser. E a coisa tá séria."

Publicidade


Na entrevista, Reis defende Bolsonaro e diz que ele representa a vontade popular.


"Falam que o Bolsonaro é grosso. Ele fala o que o povo quer falar. O povo não tem como chegar lá e falar. Se fala, às vezes mandam prender. Eu nunca agredi ninguém e não quero também. Mas vou pedir que a família vá para a rua", defende Reis.
Ele diz que conversou "francamente" com Bolsonaro e que o achou "muito abatido, muito doente".


Reis afirmou que almoçou com o presidente em Brasília após ter recebido representantes indígenas. "Forcei o Bolsonaro, digamos assim, trouxe toda a realidade do garimpo para ele, e o Bolsonaro agora quer que o índio trabalhe, ganhe seu dinheiro, que não seja jogado para o terceiro lugar", disse Reis na entrevista.

Na quinta-feira (12), Bolsonaro recebeu um grupo de indígenas apoiadores do governo federal e fez um discurso em que defendeu a exploração das terras reservadas aos povos tradicionais.


Publicidade

Últimas notícias

Publicidade