Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
Publicidade
Publicidade
300 agentes

Força Nacional vai atuar na segurança de abrigos no Rio Grande do Sul após relatos de abusos

Folhapress
11 mai 2024 às 19:23
- José Cruz/Agência Brasil
siga o Bonde no Google News!
Publicidade
Publicidade

O ministro da Justiça, Ricardo Lewandowski, determinou que a Força Nacional também vai atuar na proteção dos abrigos montados para receber as vítimas das enchentes que atingem o Rio Grande do Sul.

Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade
Publicidade


Leia mais:

Imagem de destaque
Buscas no Google

Interesse por aborto cresce no Brasil após PL Antiaborto por Estupro

Imagem de destaque
"Corredor da saúde"

Estado e prefeitura de São Paulo instalam grades na cracolândia e delimitam espaço de usuários em rua

Imagem de destaque
Sofreu traumatismo craniano

Empresária morre após ser atingida na cabeça por um coqueiro em Alagoas

Imagem de destaque
Veja o ranking completo

INSS e Caixa são as empresas mais processadas do Brasil; veja lista

Segundo a pasta, 300 agentes serão enviados ao estado até a próxima semana. O anúncio, feito neste sábado (11), ocorre na esteira de denúncias de abusos sexuais contra crianças e mulheres nesses locais.

Publicidade


Como mostrou a Folha, na última semana seis pessoas foram presas sob suspeita de cometerem crime de estupro em abrigos. Um dos crimes teria sido praticado contra uma criança no município de Viamão, a cerca de 20 km de Porto Alegre.


O Rio Grande do Sul também passa por uma escalada de problemas de segurança pública, com saques e roubas a casas e a comércios.

Publicidade


A Força Nacional já está atuando no resgate de pessoas e animais ilhados e, agora, vai ajudar a garantir a segurança dos abrigos. Os agentes também realizam o patrulhamento de ruas e dão apoio à Brigada Militar e ao Corpo de Bombeiros.


As fortes chuvas deixaram 136 mortos até as 9h deste sábado. Dez novos óbitos foram confirmados desde sexta-feira (10), e o número pode crescer nos próximos dias, uma vez que há 125 desaparecidos, segundo a Defesa Civil gaúcha.


Ainda há 71 mil pessoas em abrigos montados para socorrer as vítimas que não têm para onde ir. Dos 497 municípios gaúchos, 445 acabaram afetados pela tragédia.


Imagem
Risco de tragédia por chuvas em Porto Alegre foi detectado em 2023
Uma semana antes das primeiras mortes no contexto das chuvas no Rio Grande do Sul, o Cemadem (Centro Nacional de Monitoramento e Alertas de Desastres Naturais) alertou que o estado poderia sofrer com alagamentos e inundações em regiões urbanas.
Publicidade

Últimas notícias

Publicidade