Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Rivastigmina

Saúde incorpora primeiro medicamento para demência associada ao Parkinson

Folhapress
25 jun 2024 às 13:39
- Pixabay
siga o Bonde no Google News!
Publicidade
Publicidade

O Ministério da Saúde publicou na última semana uma portaria de incorporação da Rivastigmina, único medicamento com registro em bula no país para tratamento de pacientes com doença de Parkinson e demência.

Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade
Publicidade


Leia mais:

Imagem de destaque
Equipe de pesquisadores

Fósseis de dinossauro são encontrados no RS após chuvas

Imagem de destaque
Paródia do atentado

Loja de brinquedos de SP lança 'orelha do Trump' para colecionadores

Imagem de destaque
Avanço discreto

Mulheres são apenas 6% em cargos de CEO no mundo, aponta pesquisa

Imagem de destaque
Aparelhos adulterados

Análise encontra anfetamina na composição de cigarros eletrônicos em SC

O remédio já está disponível no SUS (Sistema Único de Saúde) para os pacientes com a doença de Alzheimer -há relatos de abastecimento irregular. Com recomendação favorável da Conitec (Comissão Nacional de Incorporação de Tecnologias no Sistema Único de Saúde), o tratamento se mostrou eficaz para o controle dos sintomas cognitivos do Parkinson.

Publicidade


Dados do relatório avaliado pela Conitec mostram que há entre 100 e 200 casos de doença de Parkinson para cada 100 mil indivíduos com mais de 40 anos, e essa quantidade aumenta significativamente depois dos 60.


Cerca de 30% das pessoas que vivem com a doença desenvolvem demência por associação. Nesse caso, não havia, até o momento, tratamento medicamentoso disponível na rede pública. A demência causa lentidão cognitiva, déficits de atenção e memória, bem como alucinações, delírios e apatia.

Publicidade


De acordo com o Protocolo Clínico e Diretrizes Terapêuticas da Doença de Parkinson, os principais objetivos do tratamento são deter a progressão da doença e diminuir os sintomas. A Rivastigmina estará indicada para pacientes com demência associada.


Outros tratamentos disponíveis no SUS contra o Parkinson incluem implantes de eletrodos e geradores de pulsos para estimulação cerebral para os pacientes.

Publicidade


Também foi publicada ainda a incorporação do pamoato de pasireotida, medicamento indicado para pacientes com acromegalia, doença rara e crônica de desenvolvimento lento e silencioso, causada pela produção excessiva de hormônios de crescimento. Essa alteração hormonal pode causar efeitos diversos, sendo mais característico o crescimento exagerado de partes do corpo, como mãos, pés, nariz, lábios, língua, queixo, testa e orelhas.


A doença também pode provocar alterações visuais, paralisia de nervos cranianos, dores de cabeça, insuficiência cardíaca, entre outros. A maior parte dos casos da acromegalia são decorrentes de tumor benigno na hipófise, glândula responsável pela síntese de hormônios de crescimento.


A droga servirá para controle de tumor, dos sintomas e redução de complicações em pacientes com a doença. O medicamento será incluído no Protocolo Clínico e Diretrizes Terapêuticas da doença para pessoas que não conseguiram respostas ou possuem contraindicação em realizar as demais opções de tratamento disponibilizadas no SUS, incluindo a cirurgia para retirada do tumor e o tratamento medicamentoso.


Imagem
Escola municipal de Londrina promove encontro entre diferentes gerações
A convivência e o respeito à diversidade são valores fundamentais de uma escola acolhedora.
Publicidade

Últimas notícias

Publicidade