Pesquisar

Canais

Serviços

Reprodução/Facebook (Câmara Municipal de Cuiabá)
Continua depois da publicidade
Continua depois da publicidade
Projeto de lei

Câmara de Cuiabá aprova em primeiro turno Dia do Orgulho Hétero

Folhapress
23 dez 2021 às 11:41
Continua depois da publicidade

A Câmara Municipal de Cuiabá (MT) aprovou na terça-feira (21) em primeira votação um projeto de Lei que cria o Dia do Orgulho Hétero na cidade. De autoria do vereador bolsonarista Tenente Coronel Paccola (Cidadania), o projeto só recebeu um voto contrário.

Continua depois da publicidade
PUBLICIDADE


De acordo com o PL, a data deve ser celebrada todos os anos no terceiro domingo do mês de dezembro.

Continua depois da publicidade
Continua depois da publicidade

Na primeira votação, o texto recebeu 15 votos favoráveis e um contrário, este último da vereadora Edna Sampaio (PT) -houve ainda oito ausências.


A segunda votação estava prevista para esta quarta (22) em uma sessão extraordinária, mas o texto foi retirado de votação pelo vereador Adevair Cabral (PTB), que pediu vista (tempo maior para analisar a proposta).


"Agora só será votado em definitivo no ano que vem", afirmou à reportagem a assessoria da Câmara.

Continua depois da publicidade

Em suas redes sociais, Paccola justificou o projeto ao afirmar que decidiu apresentá-lo depois de uma conversar com o filho e sobrinhos, quando teria sido "revelado que na escola para participar de determinados grupos [os estudantes] tinham de beijar meninos e meninas".


"O objetivo principal por trás deste projeto é que não destruam o modelo tradicional de família, os valores conservadores cristãos e o sentimento de civismo patriótico que são as marcas mais fortes de nós conservadores", afirma.


De acordo com o parlamentar, após um período de perseguição e condenação, os homossexuais passaram a ser tolerados, aceitos e a terem seus direitos civis reconhecidos.


"Contudo estamos assistindo a um movimento muito forte desse ativismo forçado que tenta trazer uma clara obrigatoriedade para que nossos jovens e crianças tenham um incentivo a um comportamento bissexual", disse ele, que atribui a homossexualidade ao "marxismo cultural".


"Assistimos a uma desestruturação que parte do marxismo cultural, Gramsci, que tenta destruir o modelo tradicional de família, aquele escrito na Bíblia", diz ele em referência aos filósofos Karl Marx e Antonio Francesco Gramsci.


"Não tenho nada contra, muito pelo contrário, tenho amigos no primeiro contato direto que são homossexuais, não tenho nada contra", afirmou o vereador, que completou. "A ciência se constitui uma família com cromossomo XX e XY."


Única vereadora a votar contra a proposta, a petista Edna Sampaio também afirmou em rede social que "não há do que se orgulhar, já que o Brasil é o país que mais mata pessoas LGBTQIA+ no mundo".


"Existe uma supremacia hétero, como se fosse crime ser LGBTQIA+. Qual é o orgulho num mundo onde uma pessoa que não é hétero é morta por não ter uma orientação hétero?", questiona.


"Quem sofre violência por orientação sexual? Quem é expulso de casa por sua orientação? Que pode ser abordado com violência na rua? Não é o heterossexual."


"Foi aprovado um dia do orgulho daqueles que deveriam ter responsabilidade por quem é vitimado por ser LGBTQIA+. Não é só feio, é vergonhoso", diz.

Continue lendo