Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Doença celíaca

Alimentação sem glúten gera renda a empreendedores e devolve o prazer de comer

Jéssica Sabbadini - Especial para a Fola
16 mai 2024 às 09:30
- Roberto Custódio
siga o Bonde no Google News!
Publicidade
Publicidade

Imagine que, de uma hora para outra, você é obrigado a abandonar pão, bolo, bolacha, cerveja e tantas outras comidas e bebidas costumeiras no dia a dia. 


Essa é a realidade de quem é diagnosticado com a doença celíaca. Apesar do baque inicial, há quem faça do limão uma limonada e veja no diagnóstico de familiares uma forma de ajudar outras pessoas a voltarem a comer o que gostam sem precisar enfrentar fortes dores.

Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade
Publicidade


Nesta quinta-feira (16) é celebrado o Dia Mundial de Conscientização sobre a Doença Celíaca, condição autoimune que afeta, principalmente, o intestino. 

Leia mais:

Imagem de destaque
Mercado das "bets"

Debate sobre sites de apostas opõe dados de economia e saúde

Imagem de destaque
"Botão de emergência"

Celular Seguro recebe 57,8 mil alertas de bloqueio em seis meses

Imagem de destaque
Entenda

Milhões de dados de beneficiários do INSS ficaram expostos e foram acessados sem controle

Imagem de destaque
Estiagem

Chegada de período propício para incêndios traz preocupação para o campo


A FOLHA foi atrás de contar a história de empreendedoras que enfrentaram de perto a doença, mas resolveram investir em um negócio que mudaria para melhor a vida de muitos outros celíacos.

Publicidade


Com menos de dois anos de vida, o filho de Carolina Catarin, 41, foi diagnosticado com intolerância ao glúten. Ao chegar em casa, ela abriu a despensa e, no desespero, jogou tudo o que continha a palavra "glúten" no lixo. 


Com um começo com muitos erros, a família teve que reaprender a viver uma vida sem glúten.

Publicidade


Apaixonada por confeitaria, Catarin sentia falta de doces, principalmente bolo de chocolate repleto de calda e brigadeiro. 


“Se eu sentia falta, com certeza mais alguém que não podia comer glúten deveria sentir falta também”, conta. Então, em 2021, nasceu o Cozinha da Carol.

Publicidade


Responsável por resgatar memórias afetivas, a comida fortalece a união familiar, como sentar à mesa em uma tarde chuvosa de domingo para comer um bolo de cenoura com cobertura de chocolate feito pela matriarca. Por conta da doença celíaca do filho, a motivação em empreender no ramo da confeitaria sem glúten foi a forma que Catarin encontrou de reviver os sabores dos alimentos. 


Publicidade

“Foi assim que eu comecei o meu negócio e continuo com o propósito de trazer essa memória afetiva para a mesa de outros londrinenses que também não têm acesso a um restaurante ou cafeteria sem glúten para comer com segurança”, ressalta.


Confeiteira de mão cheia, o cardápio conta com uma infinidade de doces, desde o brigadeiro e o beijinho, que não podem faltar nas festas de aniversário, até os cupcakes, bolos e donuts. 


“Hoje eu tenho bastante coisa sem glúten que eu consegui incluir no cardápio que eu vou testando. O que eu vejo que eu consigo trazer, em termos de sabor, o mais próximo possível do que a gente está acostumado para, justamente, gerar essa memória afetiva, eu coloco no cardápio”, explica.


Leia a reportagem completa na FOLHA DE LONDRINA:


Imagem
Alimentação sem glúten gera renda e devolve o prazer de comer
Com familiares diagnosticados com a doença, empreendedoras veem no ramo uma oportunidade de mudar a vida de outros tantos celíacos
Publicidade

Últimas notícias

Publicidade