18/01/21
PUBLICIDADE
Entenda

Governo diz que auxílio emergencial não pode ser permanente

O Ministério da Economia disse nesta terça-feira (12) que o auxílio emergencial não pode ser permanente para não comprometer a política fiscal. Segundo a nota, "as despesas criadas neste momento de excepcionalidade não devem ser transformadas em permanentes para não comprometer a recuperação das contas públicas a partir de 2021 e nem a trajetória sustentável da dívida pública".

Marcello Casal Jr./Agência Brasil
Marcello Casal Jr./Agência <a href='/tags/brasil/' rel='noreferrer' target='_blank'>Brasil</a>


"Sobre as notícias de que o programa de auxílio emergencial pode ser permanente, o Ministério da Economia esclarece que tem tomado medidas de caráter temporário para combater os efeitos da pandemia. O compromisso com o teto de gastos dá credibilidade e promove investimentos que criam empregos e faz com que o governo onere cada vez menos a sociedade”, diz o texto.

Segundo a nota, neste momento, o governo está preocupado em preservar vidas e a atividade econômica. "Com medidas extraordinárias, foi possível socorrer os mais vulneráveis que perderam seu sustento. Essa crise trouxe, entretanto, uma oportunidade para avaliar a efetividade dos programas de transferência de renda e desenhar propostas de melhorias. Projetos para a reativação da economia estão em estudo e serão divulgados no momento oportuno”, finalizou o ministério.

Ontem, o secretário especial de Produtividade, Emprego e Competitividade do Ministério da Economia, Carlos da Costa, disse que o o auxílio emergencial de R$ 600 (R$ 1,2 mil para mães solteiras) poderá ser mantido após o fim da pandemia.

Segundo Costa, o governo discute se o auxílio emergencial e outras medidas de socorro deverão durar os três meses inicialmente planejados ou se deverão ser desmontadas gradualmente, num processo de transição para um novo modelo econômico. "Não podemos virar a chave e desligar tudo de uma hora para outra”, disse, referindo-se à possibilidade de manutenção do benefício no segundo semestre deste ano.
Agência Brasil
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Continue lendo
Sem taxa mínima

Sanepar parcela em até 60 meses as dívidas de clientes particulares

18 JAN 2021 às 16h09
Caixa Tem

Caixa vai pagar indenizações do DPVAT por aplicativo; saiba mais

18 JAN 2021 às 13h13
Agora critica?

Após silêncio sobre aprovação da Coronavac, Bolsonaro alfineta Doria e diz que vacina é do Brasil

18 JAN 2021 às 13h06
Atenção!

Rompimento afeta abastecimento de água no centro de Londrina

18 JAN 2021 às 12h10
Repasse estadual

Maringá recebe 100 mil insumos para vacinação

18 JAN 2021 às 11h55
Após silêncio presidencial

Isso aí tudo é politicagem, afirma Mourão sobre corrida por vacina

18 JAN 2021 às 11h40
Veja mais e a capa do canal
JORNAIS
Folha de Londrina
TELEVISÃO
MultiTV Cidades
OUTRAS EMPRESAS
Grafipress
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Bonde - Todos os direitos reservados