Pesquisar

Canais

Serviços

Continua depois da publicidade
Continua depois da publicidade
Negociação

Argentina compra 20 aviões da Embraer

Agência Estado
31 dez 1969 às 21:33
Continua depois da publicidade

O governo da Argentina assinaria ontem o contrato com a Embraer para a compra de 20 aviões E190, com financiamento do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) de US$ 585 milhões, os quais representam 85% do valor total da operação. Também será assinado um acordo para que a empresa aeronáutica brasileira produza peças destas aeronaves na Fábrica Militar de Aviões da cidade argentina de Córdoba, também chamada de Área Material Córdoba.

Continua depois da publicidade
PUBLICIDADE

Segundo o secretário de Transportes da Argentina, Ricardo Jaime, está prevista a assinatura dos dois acordos simultaneamente, o da compra e o da fabricação das peças. A ideia, disse ele, é que todos os aviões sejam entregues até 2010. De acordo com Jaime, no ato da assinatura dos contratos a presidente Cristina Kirchner deve estar presente.

Continua depois da publicidade


Os aviões serão para a reestatizada Aerolíneas Argentinas e Austral, que pertencia ao grupo espanhol Marsans até o final do ano passado. A fábrica de aviões argentina também se encontra em processo de reestatização depois de passar os últimos 10 anos nas mãos da norte-americana Lockheed Martin.


Um convênio de cooperação técnica entre a Embraer e a fábrica militar de aviões, assinado no ano passado, deu início à troca de informações entre os técnicos dos dois países. Desenhada pelo Ministério de Defesa, a estratégia argentina é de associação não só com a Embraer, mas também com a chilena Enaer, para desenvolver a indústria aeronáutica local.


Por meio de um dos contratos que será assinado, a Embraer vai desenvolver vários projetos na fábrica de Córdoba. Além de produzir as peças, a companhia vai capacitar os pilotos e os técnicos para lidar com as novas aeronaves da frota da Aerolíneas Argentinas, o que reduzirá os custos da estatal argentina.

Continua depois da publicidade


"O importante é que a manutenção e a capacitação (de pilotos e técnicos) sejam feitos na Argentina", disse Jaime. "Hoje não se pode nem pintar um avião no país. Toda a capacidade instalada que a Argentina tinha foi se perdendo e temos que recuperá-la", afirmou para defender a associação entre a Embraer e a fábrica argentina. Anteontem, a Câmara dos Deputados aprovou um projeto de lei que autoriza o Estado argentino a comprar as ações da Lockheed Martin na sociedade que tem a concessão da fábrica. Agora, o projeto vai para o Senado.

Para concretizar a operação, o governo vai desembolsar cerca de US$ 27 milhões, segundo fontes do setor. A Fábrica Militar de Aviões de Córdoba tem 1.100 empregados e foi privatizada durante o Governo de Carlos Menem (de 1989 a 1999).


Continue lendo

Últimas notícias

Publicidade