Pesquisar

Canais

Serviços

Continua depois da publicidade
Continua depois da publicidade
Fica a dica

Associação avalia os melhores tablets do mercado

Redação Bonde com Assessoria de Imprensa
24 out 2017 às 15:07
Continua depois da publicidade

Desde quando foram lançados em 2011, os tablets vêm perdendo a relevância no mercado. Seja porque os smartphones ganharam telas maiores ou porque os notebooks híbridos surgiram com preços competitivos.

Continua depois da publicidade
PUBLICIDADE

Com isso, muitos se perguntam se ainda vale a pena comprar o aparelho. De acordo com a Proteste, Associação de Consumidores, os tablets podem ser vantajosos para estudantes ou crianças com foco no uso para leitura, assistir a vídeos e navegar na web em geral.

Continua depois da publicidade


Por isso, a associação avaliou tablets e minitablets das principais marcas e identificou qual deles tem o melhor custo-benefício para este perfil de usuário. De modo geral, todos os aparelhos são leves, fáceis de usar, possuem bom touch screen e têm funções simples e intuitivas.


Para gastar menos, pode-se optar pelo Samsung Galaxy Tab S2 9.7 4G, em vez do Apple iPad Pro 9.7 4G, que tem quase a mesma qualidade, e assim economizar até R$ 1.377. Vale destacar que, independente do desempenho, o que torna o tablet mais caro é o número de gigabytes correspondente à capacidade de memória.

Continua depois da publicidade


No teste de duração da bateria, a maioria dos produtos teve mais de 10 horas de autonomia assistindo a vídeos e nenhum teve avaliação menor do que aceitável. Além disso, na análise de qualidade da tela, todos se saíram bem em ambientes fechados e com iluminação controlada, com exceção do Multilaser M7S pela baixa resolução.


Em navegação na internet, as únicas exceções foram os minitablets (por terem a tela menor) e novamente o Multilaser, devido à tela pequena e pouca memória. No que se refere à segurança, a maioria possui opções de senha, reconhecimento por digital e backup na nuvem pelo sistema operacional.

As avaliações negativas foram das caixas de som, que têm áudio abafado sem o fone de ouvido, e a qualidade da gravação de vídeos e fotografia, que são bem inferiores a de um celular.


Continue lendo