Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
Em tempos de crise

BC prorroga incentivo a bancos por 90 dias

Agência Estado
16 jun 2009 às 07:40
siga o Bonde no Google News!
Publicidade
Publicidade

Mesmo com a gradual melhora das condições do mercado de crédito, o Banco Central (BC) prorrogou por 90 dias o benefício dado aos bancos que adquirirem carteiras de crédito de instituições financeiras de menor porte.

Quem realiza essa operação tem abatimento integral do valor da aquisição no recolhimento compulsório sobre depósitos a prazo, como os Certificados de Depósitos Bancários (CDB). A decisão tomada na noite desta segunda-feira (29) mantém o incentivo à oferta de crédito, sobretudo entre os pequenos e médios bancos. A medida foi anunciada originalmente no auge da crise no ano passado.

Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade


Pela decisão de ontem, o benefício que venceria hoje será prorrogado até 30 de setembro de 2009. A partir dessa data, o BC deve adotar um cronograma para retirar gradualmente a vantagem. "Dependendo das condições de mercado, no fim desse período, o BC poderá iniciar processo de redução paulatina do incentivo", afirma nota divulgada na noite de ontem. Essa decisão, no entanto, só vai ser tomada se houver consolidação dos "sinais de normalização que começam a surgir no mercado doméstico de crédito". Atualmente, existem cerca de R$ 38 bilhões registrados em operações que geraram o abatimento do compulsório.

Leia mais:

Imagem de destaque
Crise

Um terço das famílias brasileiras sobreviveu com renda de até R$ 500 por mês em 2021, mostra FGV

Imagem de destaque
97,5 milhões de ocupados

Taxa de desemprego no Brasil cai para 9,8%, segundo IBGE

Imagem de destaque
Atenção à data

Termina nesta terça o prazo para entrega da declaração do Imposto de Renda

Imagem de destaque
Resultado animador

Número de inadimplentes de Londrina cai 14% em abril, segundo dados do SPC

Pela regra atual, instituições financeiras têm de recolher 15% dos depósitos a prazo - como o CDB - como compulsório. Desse valor, 40% são aplicados em títulos públicos federais, que rendem juros, e 60% em espécie, sem qualquer remuneração. O benefício prorrogado pelo BC se aplica a essa parcela de 60%.


Publicidade

Últimas notícias

Publicidade