Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
Venda casada

Casas Bahia pode ser multada em mais de R$ 6 milhões

Redação Bonde
03 out 2012 às 14:48
- Divulgação
siga o Bonde no Google News!
Publicidade
Publicidade

O Departamento de Proteção e Defesa do Consumidor, da Secretaria Nacional do Consumidor, do Ministério da Justiça, notificou nesta quarta-feira (3) a rede de varejo Casas Bahia por indícios de práticas comerciais abusivas na venda de produtos, conjuntamente com seguros, garantia estendida e planos odontológicos. A empresa tem o prazo de 10 dias para esclarecer os serviços adicionais embutidos no momento da comercialização do produto, sem o consentimento do consumidor. A rede varejista pode ser multada em mais de R$ 6 milhões, caso seja constatada a infração.

Segundo o DPDC, a investigação foi iniciada por meio de denúncias. O Procon Municipal de Ubá (MG) encaminhou reclamações de consumidores sobre vendas abusivas de planos odontológicos; o Ministério Público Federal do Rio de Janeiro, comunicações internas das Casas Bahia sobre política comercial da empresa no sentido de mascarar preços e custos dos financiamentos e embutir a venda de seguros na compra de produtos.

Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade


O Conselho Federal de Odontologia afirmou que a empresa não possui autorização para a venda de planos odontológicos. Além disso, o Sistema Nacional de Informações de Defesa do Consumidor (Sindec) registrou, dentre 54 mil demandas contra as Casas Bahia, mais de 1.600 referentes a seguros. Há, por exemplo, relatos de consumidores aposentados que contrataram sem saber seguro para trabalhadores sem comprovação de renda.

Leia mais:

Imagem de destaque
Crise

Um terço das famílias brasileiras sobreviveu com renda de até R$ 500 por mês em 2021, mostra FGV

Imagem de destaque
97,5 milhões de ocupados

Taxa de desemprego no Brasil cai para 9,8%, segundo IBGE

Imagem de destaque
Atenção à data

Termina nesta terça o prazo para entrega da declaração do Imposto de Renda

Imagem de destaque
Resultado animador

Número de inadimplentes de Londrina cai 14% em abril, segundo dados do SPC

É direito básico do consumidor saber o custo real do produto e o que ele efetivamente está comprando. Não podemos admitir que após 22 anos do Código de Defesa do Consumidor, empresas se aproveitem da vulnerabilidade dos consumidores para impor na compra de um eletrodoméstico a aquisição de seguros e planos de saúde não solicitados", explica o diretor do Departamento de Proteção e Defesa do Consumidor, Amaury Oliva.


Publicidade

Últimas notícias

Publicidade