Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
Indústria e comércio

Em um mês, Londrina gerou mais de mil postos de trabalho

Redação Bonde
14 out 2009 às 16:13
- SECS
siga o Bonde no Google News!
Publicidade
Publicidade

Dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), do Ministério do Trabalho (MTE), mostram que o Paraná gerou, no mês de setembro, 13.740 postos de trabalho com carteira assinada. Os destaques foram os setores de Indústria de Transformação (6.569), Comércio (3.536), Serviços (2.460) e Construção Civil (1.274). Os números foram divulgados nesta quarta-feira (14) pelo ministro do Trabalho e Emprego, Carlos Lupi.

No acumulado do ano, houve um acréscimo de 75.610 postos. Nos últimos 12 meses, verificou-se um crescimento de 1,45% no nível de emprego, com 31.617 novas vagas formais de trabalho.

Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade
Publicidade


Em setembro, Curitiba ficou em primeiro lugar entre os municípios com mais de 30 mil habitantes, criando 4.480 postos. Em seguida aparecem São José dos Pinhais (1.107), Londrina (1.015), Maringá (576) e Cascavel (549).

Leia mais:

Imagem de destaque
Crise

Um terço das famílias brasileiras sobreviveu com renda de até R$ 500 por mês em 2021, mostra FGV

Imagem de destaque
97,5 milhões de ocupados

Taxa de desemprego no Brasil cai para 9,8%, segundo IBGE

Imagem de destaque
Atenção à data

Termina nesta terça o prazo para entrega da declaração do Imposto de Renda

Imagem de destaque
Resultado animador

Número de inadimplentes de Londrina cai 14% em abril, segundo dados do SPC


Brasil

Publicidade


No mês de setembro, foram criados no Brasil 252.617 empregos com carteira assinada, melhor saldo do ano e segundo maior para o mês na série histórica do Caged. Com o resultado, o saldo de 2009 chega a 932.651 empregos formais. No país há 32.925.953 trabalhadores celetistas, maior estoque da história.


"O governo agiu rapidamente no combate à crise, os bancos públicos abriram crédito e o poder de compra do brasileiro aumentou com o reajuste do salário mínimo. Com o mercado interno forte, o Brasil foi o primeiro país do G-20 a se livrar da crise. Por tudo isso, continuo afirmando que o PIB chegará a 2% este ano", comentou Lupi.

As informações são da Assessoria de Imprensa do MTE e foram divulgadas nesta tarde.


Publicidade

Últimas notícias

Publicidade