Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
Bom momento

Empresas voltaram a contratar, aponta Dieese

Agência Brasil
08 jun 2009 às 10:34
siga o Bonde no Google News!
Publicidade
Publicidade

Depois de apresentar fraco desempenho de janeiro a abril, as empresas reagiram à crise financeira internacional e voltaram a acreditar na retomada da economia. É o que indica o movimento de contratações mostrado na Pesquisa de Emprego e Desemprego (PED) do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese) e Fundação Sistema Estadual de Análise de Dados (Seade), divulgada hoje (23) em São Paulo.

Nas seis regiões metropolitanas onde é feito o levantamento – São Paulo, Salvador, Recife, Belo Horizonte, Porto Alegre e Distrito Federal – a taxa de desemprego manteve-se estável em 15,3% da População Economicamente Ativa (PEA), que é o conjunto das pessoas em condições de concorrer às vagas no mercado de trabalho. Essa estabilidade reflete o saldo de 80 mil vagas entre as contratações e demissões no conjunto das regiões. No período, 97 mil pessoas entraram para o mercado de trabalho.

Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade
Publicidade


O nível de ocupação subiu 0,5%, mas, basicamente, duas regiões puxaram essas ofertas: São Paulo, com aumento de 1,3%, e o Distrito Federal, com 1%, enquanto houve queda de 1,5%, em Salvador, de 1%, em Porto Alegre e de 0,4%, em Recife. Em Belo Horizonte, não houve alteração.

Leia mais:

Imagem de destaque
Crise

Um terço das famílias brasileiras sobreviveu com renda de até R$ 500 por mês em 2021, mostra FGV

Imagem de destaque
97,5 milhões de ocupados

Taxa de desemprego no Brasil cai para 9,8%, segundo IBGE

Imagem de destaque
Atenção à data

Termina nesta terça o prazo para entrega da declaração do Imposto de Renda

Imagem de destaque
Resultado animador

Número de inadimplentes de Londrina cai 14% em abril, segundo dados do SPC


No entanto, a recuperação ainda é lenta, conforme observa o diretor-técnico do Dieese, Clemente Ganz Lúcio. Segundo ele, a taxa de desemprego, muito provavelmente, ainda será maior do que a de 2008.

Clemente Lúcio lembrou que o Brasil passou a sofrer os efeitos da crise financeira internacional mais tarde do que o resto do mundo e pode ser que venha "a sair mais cedo dela", caso de fato se confirme a tendência de retomada do crescimento econômico de forma mais dinâmica em 2010.


Publicidade

Últimas notícias

Publicidade