Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
Publicidade
Publicidade
14,25%

Entidades sindicais criticam manutenção da taxa Selic

Agência Brasil
26 nov 2015 às 09:04
siga o Bonde no Google News!
Publicidade
Publicidade

A Força Sindical manifestou ontem (25) posição contrária à política econômica do governo e disse que a manutenção da taxa Selic, em 14,25%, vai prejudicar a indústria e o comércio neste final de ano.

"A taxa de juros altos alimenta a recessão no país, aumenta o desemprego, torna a recuperação da atividade econômica mais distante e difícil", afirmou, em nota, o presidente da entidade, Miguel Torres.

Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade
Publicidade


Segundo ele, o aumento da taxa de juros "caminha na contramão dos anseios da classe trabalhadora" e tem sido "ineficaz no combate à inflação", encarecendo o crédito para consumo e para investimentos.

Leia mais:

Imagem de destaque
Crise

Um terço das famílias brasileiras sobreviveu com renda de até R$ 500 por mês em 2021, mostra FGV

Imagem de destaque
97,5 milhões de ocupados

Taxa de desemprego no Brasil cai para 9,8%, segundo IBGE

Imagem de destaque
Atenção à data

Termina nesta terça o prazo para entrega da declaração do Imposto de Renda

Imagem de destaque
Resultado animador

Número de inadimplentes de Londrina cai 14% em abril, segundo dados do SPC


A Confederação dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf-CUT) criticou também a manutenção da Selic pelo Comitê de Política Monetária (Copom). Para a entidade, "a decisão tomada em meio à desaceleração da economia e ao corte de empregos, significa impedir a retomada do crescimento e piorar a distribuição de renda no país".


"Este caminho só leva à recessão e aprofunda ainda mais a crise", disse, em nota, o presidente da Contraf-CUT, Roberto von der Osten.

Pela terceira vez seguida, o Banco Central (BC) não mexeu nos juros básicos da economia. Por 6 votos a 2, o Copom manteve hoje (25) a taxa Selic em 14,25% ao ano.


Publicidade

Últimas notícias

Publicidade