Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Aponta estudo

Falta de planejamento é principal causa de endividamento

Redação Bonde com assessoria de imprensa
04 jul 2013 às 11:51
siga o Bonde no Google News!
Publicidade
Publicidade

A última pesquisa realizada pelo SPC Brasil revelou que 64% da população brasileira já esteve, ou está, negativada perante o mercado e integrando os bancos de dados dos serviços de proteção ao crédito. Um dado ainda mais preocupante se dá pelos 41% dos casos que entraram para o SPC por conta do descontrole financeiro, ante os 31% que são decorrentes ao desemprego.

"Esse dado alarmante demonstra que a população está precisando executar um eficiente planejamento doméstico", afirma Samoel de Mattos, presidente da Federação de Dirigentes Lojistas do Paraná. Segundo ele, esse é o reflexo da falta de uma disciplina, nos bancos escolares, que aborde o tema.

Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade
Publicidade


Ainda de acordo com a pesquisa, a população está, cada vez mais, parcelando suas contas e este pode ser um dos motivos dos endividamentos. Se comparados os dados de 2012 com os atuais, o percentual da população que dividia as compras em mais de 10 parcelas para móveis, eletrodomésticos e aparelhos eletrônicos passou de 10%, 11% e 10% respectivamente, para 15%, 50% e 47%.

Leia mais:

Imagem de destaque
Crise

Um terço das famílias brasileiras sobreviveu com renda de até R$ 500 por mês em 2021, mostra FGV

Imagem de destaque
97,5 milhões de ocupados

Taxa de desemprego no Brasil cai para 9,8%, segundo IBGE

Imagem de destaque
Atenção à data

Termina nesta terça o prazo para entrega da declaração do Imposto de Renda

Imagem de destaque
Resultado animador

Número de inadimplentes de Londrina cai 14% em abril, segundo dados do SPC


"Ao realizar uma compra em 10 vezes, por exemplo, é prudente que o consumidor aguarde quitar a dívida por completo para, então, parcelar algum produto novamente", ensina André Luiz Pellizzaro, gestor-presidente da Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL) de Curitiba.

Segundo Pellizzaro, as compras de longo prazo afetam o poder de compra do consumidor e, por isso, é preciso cuidado. "Deve-se ficar atendo, pois um imprevisto pode acontecer e o consumidor acaba não tendo como arcar com as contas", afirma. De acordo com uma pesquisa do SPC, divulgada em fevereiro, 42% dos brasileiros não conseguem guardar um real sequer.


Publicidade

Últimas notícias

Publicidade