Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
No Paraná

Funcionária de fast-food é condenada por desviar dinheiro

Redação Bonde com TJ-PR
03 out 2012 às 16:05
siga o Bonde no Google News!
Publicidade
Publicidade

Uma funcionária, que vinha desviando dinheiro do caixa de um fast-food de Curitiba onde trabalhava, foi condenada a dois anos e oito meses de reclusão e ao pagamento de 11 dias-multa, sendo substituída a pena privativa de liberdade por restritivas de direito.

A 5ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça do Paraná, por unanimidade de votos, reformou parcialmente (apenas para reduzir a pena) sentença da 3ª Vara Criminal do Foro Central da Comarca da Região Metropolitana de Curitiba, que julgou procedente a denúncia formulada pelo Ministério Público para condenar a ré como incursa nas sanções do artigo 155, § 4°, inciso II, combinado com o artigo 71, caput, ambos do Código Penal.

Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade
Publicidade


Inconformada com a sentença condenatória a ré interpôs recurso de apelação pleiteando a nulidade da sentença, a aplicação da pena em seu mínimo legal, e a alegação da inconstitucionalidade do artigo 385 do Código Penal.

Leia mais:

Imagem de destaque
Crise

Um terço das famílias brasileiras sobreviveu com renda de até R$ 500 por mês em 2021, mostra FGV

Imagem de destaque
97,5 milhões de ocupados

Taxa de desemprego no Brasil cai para 9,8%, segundo IBGE

Imagem de destaque
Atenção à data

Termina nesta terça o prazo para entrega da declaração do Imposto de Renda

Imagem de destaque
Resultado animador

Número de inadimplentes de Londrina cai 14% em abril, segundo dados do SPC


O relator do recurso de apelação, juiz de Direito Substituto em 2º Grau, Gilberto Ferreira, entendeu que essa tese não merece ser acolhida. "O juiz não é obrigado a acatar as alegações da parte nem do Ministério Público, principalmente porque o princípio que rege nosso sistema processual penal é o do livre convencimento motivado."

"Assim, se o juiz tiver firmado seu convencimento a partir de provas colhidas judicialmente, sob o crivo do contraditório e da ampla defesa, poderá julgar, motivando adequadamente a sua decisão, de forma contrária ao que propugnou o Ministério Público e as partes", registrou.


Publicidade

Últimas notícias

Publicidade