Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
Publicidade
Publicidade
9,4%

Inadimplência de empresas tem maior alta desde 2006

Agência Estado
27 jun 2012 às 17:11
siga o Bonde no Google News!
Publicidade
Publicidade

O Indicador de Inadimplência das Empresas, divulgado nesta quarta-feira, 27, pela Serasa Experian, registrou alta de 9,4% em maio ante o mês anterior, a maior elevação verificada na passagem de abril para maio desde 2006. Em relação a maio de 2011, o aumento foi de 13,2%. Já no acumulado entre janeiro e maio, o avanço foi de 17,5% frente ao mesmo período do ano passado.

De acordo com nota distribuída à imprensa, os economistas da empresa atribuem a evolução da inadimplência em maio à sazonalidade do mês, mas desta vez "potencializada por uma série de entraves econômicos", como atividade econômica fraca, baixo nível de crédito externo, forte inadimplência dos consumidores e queda nas exportações provocada pela crise global.

Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade


O indicador é nacional e considera as variações no número de cheques sem fundos, títulos protestados e dívidas vencidas com instituições bancárias e não bancárias. Para a Serasa Experian, a forte expansão mensal dos protestos de títulos (19,4%) antecipa um provável aumento do número de requerimentos de falências. Em relação a abril, a inadimplência das empresas subiu 0,5% nas dívidas não bancárias, 2,5% nas dívidas com bancos e 20,2% nos cheques.

Leia mais:

Imagem de destaque
Crise

Um terço das famílias brasileiras sobreviveu com renda de até R$ 500 por mês em 2021, mostra FGV

Imagem de destaque
97,5 milhões de ocupados

Taxa de desemprego no Brasil cai para 9,8%, segundo IBGE

Imagem de destaque
Atenção à data

Termina nesta terça o prazo para entrega da declaração do Imposto de Renda

Imagem de destaque
Resultado animador

Número de inadimplentes de Londrina cai 14% em abril, segundo dados do SPC

Nos cinco primeiros meses de 2012, as dívidas não bancárias (cartões de crédito, financeiras, lojas em geral e prestadoras de serviços como telefonia e fornecimento de energia elétrica e água) tiveram um valor médio de R$ 775,74, o que representou um crescimento de 4% ante igual período de 2011. O valor médio das dívidas com bancos subiu 4,3% e chegou a R$ 5.269,13. Em relação aos títulos protestados, o valor médio ficou em R$ 1.914,33 (alta de 11,1%). Já os cheques sem fundos registraram em média R$ 2.191,88, aumento de 6,5% na comparação o acumulado de janeiro a maio de 2011.


Publicidade

Últimas notícias

Publicidade