Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Pirâmide financeira

Justiça suspende atividades do BBom após bloqueio de bens

Redação Bonde com MPF
17 jul 2013 às 19:15
- Reprodução
siga o Bonde no Google News!
Publicidade
Publicidade

O Ministério Público Federal de Goiás obteve na Justiça a suspensão das atividades do grupo BBom, acusado de "pirâmide financeira" nesta quarta-feira (17). A decisão proíbe a comercialização e oferta de rastreadores, impede novas adesões à rede e cadastros. Além disso, o grupo deve disponibilizar mensagem comunicando aos internautas sobre a decisão judicial.

O pedido do MPF foi feito após o bloqueio dos bens das empresas do grupo BBom, que mesmo assim continuou atraindo novos clientes, com o recrutamento de pessoas ou captação de recursos à rede.

Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade
Publicidade


A Justiça Federal, em sua decisão, determinou expressamente que as empresas publiquem em seus websites o seguinte comunicado: "Por ordem da Justiça Federal, a BBom está impedida de receber a adesão de novos associados, seja através de seus sites, seja através dos sites de seus associados, bem como de receber as mensalidades cobradas dos associados já admitidos no sistema."

Leia mais:

Imagem de destaque
Crise

Um terço das famílias brasileiras sobreviveu com renda de até R$ 500 por mês em 2021, mostra FGV

Imagem de destaque
97,5 milhões de ocupados

Taxa de desemprego no Brasil cai para 9,8%, segundo IBGE

Imagem de destaque
Atenção à data

Termina nesta terça o prazo para entrega da declaração do Imposto de Renda

Imagem de destaque
Resultado animador

Número de inadimplentes de Londrina cai 14% em abril, segundo dados do SPC


O "esquema BBom" foi "congelado" na semana passada, resultado de uma força-tarefa nacional formada pelo MPF e pelos MP Estaduais com o bloqueio dos bens das empresas Embrasystem (nomes fantasias BBom e Unepxmil) e BBrasil Organizações e Métodos e de seus sócios. Entre os bens bloqueados, estão mais de cem veículos, alguns de alto luxo – como Ferrari, Lamborghini e Mercedes, além de 300 milhões em contas bancárias do grupo.

Publicidade


"O nosso objetivo é evitar novas vítimas. O consumidor precisa ficar atento, principalmente com a proliferação desses esquemas com a ajuda da Internet e das redes socais, bem como dessas promessas de ganho de muito dinheiro sem ter que vender um produto ou serviço real. Já em relação à pessoas que estão no esquema, os bloqueios dos bens servirão para reaver o máximo possível do dinheiro investido", explica a procuradora da República, Mariane Guimarães.


Negócios com TelexFree

Publicidade


O caso da BBom soma-se a outras investigações de pirâmides financeiras pelo país, resultado do trabalho da força-tarefa nacional dos Ministérios Públicos. Investigações ainda apontam que a BBom tem negócios com a Telexfree. As duas pirâmides teriam realizado transações com pessoas em comum, "o que fortalece os indícios da relação de continuidade entre as empresas", destacam os procuradores.


O produto que sustentava as negociações da BBom é um rastreador de veículo. Segundo o MPF,
há centenas de reclamações no site www.reclameaqui.com.br de clientes que nunca receberam os rastreadores, apesar de pagarem as mensalidades de 80 reais do comodato, a mais cara do mercado.

No sistema adotado pela BBom, os interessados associavam-se mediante o pagamento de uma taxa de cadastro (R$ 60,00) e de um valor de adesão que variava dependendo do plano escolhido (bronze – R$ 600,00, prata – RS 1800, ou ouro – R$ 3.000,00), obrigando-se a atrair novos associados e a pagar uma taxa mensal obrigatória no valor de R$ 80,00 pelo prazo de 36 meses. O mecanismo de bonificação aos associados era calculado sobre as adesões de novos participantes. Quanto mais gente era trazida para a rede, maior era a premiação prometida.


Publicidade

Últimas notícias

Publicidade