Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
Incentivo

Microempresas terão crédito de R$ 48 bilhões

Agência Brasil
10 jun 2009 às 19:12
siga o Bonde no Google News!
Publicidade
Publicidade

Os dois fundos que vão servir de garantia para os empréstimos às micro, pequenas e médias empresas permitirão a operação de até R$ 48 bilhões em crédito para o setor nos próximos anos, informou há pouco o secretário-adjunto de Política Econômica do Ministério da Fazenda, Dyogo Oliveira.

Esse montante, no entanto, só será atingido caso o governo consiga injetar os R$ 4 bilhões determinados pela Medida Provisória 464, publicada hoje (10) no Diário Oficial da União.

Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade
Publicidade


O recurso total representa praticamente o triplo do que o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) emprestou para o setor no ano passado. Segundo o secretário-adjunto, o banco estatal concedeu créditos em torno de R$ 18 bilhões no ano passado para as micro e pequenas empresas.

Leia mais:

Imagem de destaque
Crise

Um terço das famílias brasileiras sobreviveu com renda de até R$ 500 por mês em 2021, mostra FGV

Imagem de destaque
97,5 milhões de ocupados

Taxa de desemprego no Brasil cai para 9,8%, segundo IBGE

Imagem de destaque
Atenção à data

Termina nesta terça o prazo para entrega da declaração do Imposto de Renda

Imagem de destaque
Resultado animador

Número de inadimplentes de Londrina cai 14% em abril, segundo dados do SPC


De acordo com Dyogo Oliveira, por enquanto, o governo pretende transferir cerca de R$ 1 bilhão para os dois fundos. A quantia exata, a data do aporte e a distribuição dos recursos entre os fundos, explicou Oliveira, ainda não estão definidas. Caso a demanda pelos fundos corresponda às expectativas, o Tesouro Nacional continuará a injetar dinheiro até atingir o limite de R$ 4 bilhões.

Publicidade


Além dos repasses do governo, que poderão ocorrer sob a forma de títulos públicos, ações da União em empresas estatais e privadas e de recursos diretos do orçamento, os fundos garantidores terão duas fontes de recursos. A empresa tomadora do empréstimo terá de depositar dinheiro nesses fundos – o valor será definido a cada operação. E os bancos que concedem o crédito terão de comprar cotas dos fundos, que deverão ser equivalentes a 0,5% da operação.


Anunciados no último dia 13 pelo ministro da Fazenda, Guido Mantega, os fundos garantidores das micro, pequenas e médias empresas, cobrirão parte dos prejuízos em operações de crédito para o setor. Em caso de falta de pagamento, os emprestadores receberão 80% do valor da operação como garantia.


Para as micro, pequenas e médias empresas, a cobertura abrangerá quaisquer tipos de empréstimo, tanto para capital de giro, como para investimentos e exportação. Trabalhadores autônomos também contarão com a proteção dos fundos, mas apenas para o financiamento de máquinas e equipamentos.

Um dos fundos será operado pelo BNDES e fornecerá garantias para os empréstimos concedidos pelo banco a micro, pequenas e médias empresas. O outro será administrado pelo Banco do Brasil e cobrirá as operações de crédito ao setor, com recursos de qualquer instituição financeira que adquirir cotas.


Publicidade

Últimas notícias

Publicidade