Pesquisar

Canais

Serviços

- Reprodução/ Instagram
Continua depois da publicidade
Continua depois da publicidade
Alta mundial

Países tomam medidas para segurar o preço dos combustíveis

Folhapress
08 mar 2022 às 18:21
Continua depois da publicidade

O aumento do preço do petróleo e seu efeito no preço dos combustíveis e da energia tem provocado uma onda de medidas de contenção ao redor do mundo: governos estão cortando impostos da commodity em um momento em que a opinião pública se sensibilizava em relação ao uso de combustíveis fósseis, um dos responsáveis pela crise climática.

Continua depois da publicidade
PUBLICIDADE


Parte do aumento se deve às inúmeras sanções do Ocidente à Rússia após o país invadir a Ucrânia no final de fevereiro. Muitas das punições respingam na produção e exportação da commodity: a Rússia é um dos três maiores produtores de petróleo do mundo.

Continua depois da publicidade


O senador americano Chris Coons deu novos contornos ao caso em uma entrevista à CNN nesta terça (8). Segundo o democrata, a Casa Branca deve anunciar a proibição das importações norte-americanas de petróleo da Rússia até quarta-feira (9). A Rússia, por seu lado, ameaça cortar o gás que exporta para a Europa.


"A última coisa que os governos querem fazer é aumentar qualquer subsídio para combustíveis fósseis, mas é preciso ser sensível quanto ao choque de preços", disse à Reuters Ben Cahill, membro sênior do Programa de Segurança Energética e Mudanças Climáticas do Centro de Desenvolvimento Estratégico e Estudos Internacionais. "É um problema econômico com o qual nós temos que lidar hoje."


Embora a guerra na Ucrânia tenha agravado a situação, os cortes de impostos, assim como o aumento de preços, são anteriores. No Brasil, o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), anunciou na semana passada que colocou na pauta de votação da Casa que comanda o pacote de projetos de lei que busca a reduzir o preço dos combustíveis.

Continua depois da publicidade


Um dos projetos, o 1472/21, prevê a criação de um fundo de estabilização para amortecer oscilações nos preços dos combustíveis –desde o governo Temer os valores são pareados internacionalmente. As fontes de financiamento seriam receitas com royalties de petróleo, participações especiais e dividendos pagos pela Petrobras à União.


O outro, o projeto de lei complementar 11/2020, muda a regra sobre o ICMS (imposto estadual) de combustíveis e prevê que o tributo seja aplicado sobre o valor médio dos últimos dois anos para baratear o preço da gasolina.


Veja alguns exemplos de medidas em relação ao preço do petróleo ao redor do mundo:


México


Meses após a inflação no país bater os 4,67%, em abril -até então a maior taxa em mais de dois anos- o país estabeleceu preços máximos para o gás. Desde agosto de 2021, a cada sábado a Comissão Reguladora de Energia do México fixa o valor limite do produto de acordo com os custos de cada região. A medida era uma prioridade do presidente Andrés Manuel López Obrador.

Estados Unidos


No início da semana passada, a Agência Internacional de Energia, ligada a OCDE (espécie de "clube de países ricos"), liberou 61,7 milhões de barris de petróleo para tentar equilibrar o preço da commodity após a guerra. Quase metade, 30 milhões, foi fornecido pelos Estados Unidos. A Coreia do Sul liberou 7,5 milhões e a Alemanha, 3,2 milhões.


Portugal


Desde novembro do ano passado, os portugueses podem lançar mão do Autovoucher para abater os gastos com combustíveis. A medida, aprovada em outubro do ano passado pelo parlamento do país, permitia um desconto de 10 centavos por litro de combustível. A quantidade limite para fazer uso do benefício era 50 litros por mês para cada cidadão, o que resultava em um desconto máximo de 5 euros. A guerra na Ucrânia, porém, ampliou esse limite para 20 euros a partir deste mês.


Espanha


Em meio a aumentos da conta de luz no país, o governo aprovou, em junho do ano passado, cortes de impostos relacionados a energia. O IVA (Imposto sobre Valor Adicionado), principal taxa do consumidor na Espanha, foi do usual 21% para 10% quando aplicado à luz, e o imposto sobre geração de energia, de 7%, foi suspenso. As medidas, que ficariam em voga até o final do ano passado, foram prorrogadas até julho no início de março.


Itália


Em 27 de setembro do ano passado, o governo italiano emitiu um decreto com "medidas urgentes para conter os efeitos dos aumentos de preços no setor da eletricidade e do gás natural". O Imposto sobre Valor Acrescentado sobre o gás de uso civil e industrial caiu para 5%.


Inglaterra


Em fevereiro deste ano, o governo anunciou que vai disponibilizar descontos de até 350 libras nas contas de energia de 28 milhões de famílias a partir de outubro, quando, calculam, o preço da energia estará ainda maior. A ideia é que a partir de 2023 o subsídio seja recuperado com acréscimos automáticos de 40 libras por mês na conta de cada família que acessou o benefício.


Bélgica


Com um pacote de energia que deve chegar a 1,1 bilhão de euros, o governo belga aprovou em 1º de fevereiro a redução do imposto sobre a eletricidade de 21% para 6% -medida que deve durar de março até junho deste ano- e um benefício social de 100 euros.


Tailândia


No dia 15 de fevereiro, o governo tailandês determinou a redução da imposto por litro de diesel em 3 bahts (R$ 0,46) durante três meses. Na época, a taxa estava em 5,99 bahts. A expectativa é que o corte reduza a receita do país em 17 bilhões de bahts (R$ 2,6 bilhões), o que deve ser parcialmente compensado pelo aumento em outras receitas fiscais.


Japão


Na semana passada, o primeiro-ministro japonês Fumio Kishida aprovou medidas para amortecer o aumento dos preços de combustível com a guerra na Ucrânia. Uma delas foi a elevação do teto do subsídio para gasolina, diesel e querosene para 25 ienes (R$ 1,09) por litro.

Continue lendo

Últimas notícias

Publicidade