Pesquisar

Canais

Serviços

O negócio prevê que a Perdigão ficaria com cerca de 70% da nova companhia e a Sadia com cerca de 30% - Reprodução
Continua depois da publicidade
Continua depois da publicidade
Incorporação

Perdigão e Sadia estão perto da fusão

Agência Estado
31 dez 1969 às 21:33
Continua depois da publicidade

Está muito perto de ser concluída a negociação para juntar a Perdigão e a Sadia, duas das maiores companhias de alimentos da América Latina. Pelo que ficou acertado, a Perdigão incorporaria a Sadia por meio de uma troca de ações.

Continua depois da publicidade
PUBLICIDADE

A Perdigão ficaria com cerca de 70% da nova companhia e a Sadia com cerca de 30%. Não haveria desembolso de dinheiro num primeiro momento. A empresa que sairia da associação das duas companhias ficaria listada no Novo Mercado, onde já são negociadas as ações da Perdigão.

Continua depois da publicidade


O acordo prevê, numa segunda fase, a entrada do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), por meio do BNDESPar. O banco entraria como investidor em uma emissão de papéis que deverá acontecer poucos meses depois da assinatura do contrato para criação da nova companhia. Os bancos envolvidos na operação discutiam ontem o valor das ações para a operação de troca. Até o início da noite não tinham chegado a um acordo, mas as diferenças agora seriam mínimas. "Está na casa da vírgula. É 1% para um lado ou 1% para outro", afirma um executivo envolvido na operação.


Quando as instituições chegarem a um consenso, os acionistas serão consultados. Apenas do lado da Sadia são mais de 50 signatários do acordo de acionistas - integrantes das famílias Fontana e Furlan, entre outros - que ainda se dividem em outras ramificações e subacordos. Procuradas, Sadia e Perdigão não quiseram se pronunciar.

A nova emissão de ações foi a forma encontrada para capitalizar a companhia e resolver a questão do endividamento da Sadia, que perdeu R$ 2,6 bilhões com operações de derivativos cambiais no ano passado. A intenção é que o BNDES entre na operação com a compra desses papéis. A operação ainda não passou pelo conselho do BNDES. O lançamento de ações serviria ainda para remunerar os acionistas que quisessem liquidar suas posições.


Continue lendo

Últimas notícias

Publicidade