Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
Vantajoso

Poupança já rende mais que um terço dos fundos DI

Agência Estado
27 jun 2009 às 19:14
siga o Bonde no Google News!
Publicidade
Publicidade

Um em cada três fundos de investimento que acompanham a evolução da taxa básica de juros (Selic) já rendem menos do que a caderneta de poupança. É o que mostra um levantamento feito pela Advisor Asset Management, com dados da Quantum Axis, um sistema de informação e análise de fundos.

Segundo foi apurado, 28% dos 458 fundos da categoria DI tiveram em maio uma rentabilidade inferior à da poupança (que ganhou 0,55% no mês). Em janeiro, o porcentual de fundos que ficaram atrás da caderneta era de 15%.

Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade
Publicidade


Esses resultados consideram uma alíquota de Imposto de Renda (IR) de 22,5%. A tabela de tributação no Brasil é regressiva. Uma aplicação até seis meses cobra 22,5% sobre o lucro apurado. Entre seis meses e um ano, 20%. De um ano a um ano e meio, o porcentual cai para 17,5%. A partir de um ano e meio, recua para 15% e aí para.

Leia mais:

Imagem de destaque
Crise

Um terço das famílias brasileiras sobreviveu com renda de até R$ 500 por mês em 2021, mostra FGV

Imagem de destaque
97,5 milhões de ocupados

Taxa de desemprego no Brasil cai para 9,8%, segundo IBGE

Imagem de destaque
Atenção à data

Termina nesta terça o prazo para entrega da declaração do Imposto de Renda

Imagem de destaque
Resultado animador

Número de inadimplentes de Londrina cai 14% em abril, segundo dados do SPC


Se for levada em conta a alíquota de 15%, a quantidade de fundos que perde para a caderneta evidentemente cai. Mas a tendência permanece: em janeiro, 9% dos fundos DI perderam da poupança (que rendeu 0,68%), ante 16% em maio. "Esse movimento ocorreu em consequência da redução da taxa Selic no período", afirmou o sócio-diretor da Advisor, Andre Delben. Em junho, disse, a quantidade de fundos que renderão menos do que a caderneta será ainda maior, por causa da queda do juro promovida pelo Banco Central (BC) no dia 10.

Ele observa ainda que, se o BC cortar de novo a Selic na reunião de 21 e 22 de julho, a tendência vai se manter. A taxa básica de juros iniciou o ano em 13,75% ao ano. A partir de janeiro, começou a ser reduzida, até chegar aos atuais 9,25%, menor nível da história do País.


Publicidade

Últimas notícias

Publicidade