Pesquisar

Canais

Serviços

Continua depois da publicidade
Economia

Queda do juro e da inflação possibilitarão crescimento

Redação - Folha de Londrina
17 jul 2003 às 18:18
Continua depois da publicidade

A queda sustentada da taxa de juros e a redução da volatilidade em variáveis econômicas como inflação e câmbio devem possibilitar uma recuperação natural no nível de atividade até o final do ano, segundo o secretário de Política Econômica do Ministério da Fazenda, Marco Lisboa.

Continua depois da publicidade
PUBLICIDADE

"Quanto mais rápido se garante a estabilidade, mais rápida é a retomada do crescimento da atividade econômica", disse ele.

Continua depois da publicidade


O Boletim de Conjuntura Econômica do ministério, elaborado por Lisboa, destaca que o crescimento econômico, porém, deve ocorrer somente a partir do quarto trimestre. Mesmo assim, ele projeta uma expansão entre 1,5% e 2% para a economia brasileira neste ano.


Segundo Lisboa, o começo do processo de ajuste de preços foi mais lento do que se esperava e agora está havendo uma correção. Um exemplo disso é a deflação de 0,15% registrada pelo IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo) do IBGE em junho.


"O impacto da política monetária é sempre defasado", disse ele, que evitou comentar sobre trajetória do juro da economia.

Continua depois da publicidade


No boletim, Lisboa destaca, entretanto, que a tendência de queda do juro, iniciada em junho último, quando a taxa caiu de 26,5% para 26% ao ano, não é garantia suficiente para a rápida retomada dos investimentos na indústria.


O secretário disse que o nível de investimentos privados no Brasil é muito baixo, tendo ficado abaixo de 20% do PIB (Produto Interno Bruto) nas últimas duas décadas. Lisboa disse que há possibilidade de o total de investimentos atingir 24% do PIB ainda no governo Lula.


De acordo com ele, a volta do crescimento industrial de forma sustentada está vinculada à reforma tributária e ao aprimoramento do marco regalório de diversos setores chaves como de energia e comunicação.


Questionado sobre a possibilidade de atraso nas reformas ter um impacto na indústria, Lisboa disse que o andamento das reformas não preocupa. "As reformas estão indo muito bem. Estão em fase de negociação, de ajuste fino".

Ele afirmou ainda que o governo está fazendo um esforço importante para coordenar uma política de desenvolvimento. "O Brasil tem um histórico de diversas ações na área industrial, mas há ausência de um política", afirmou.


Continue lendo

Últimas notícias

Publicidade