Pesquisar

Canais

Serviços

Marcelo Camargo/Agência Brasil
Continua depois da publicidade
Continua depois da publicidade
Inovação tecnológica

Campus Party em Brasília é vitrine para startups

Fabíola Sinimbú - Agência Brasil
16 jun 2017 às 07:59
Continua depois da publicidade

Mais de 50 grupos de empreendedores exibem seus modelos de negócio no espaço destinado às startups na primeira Campus Party realizada em Brasília, que é realizada até domingo (18) no Centro de Convenções Ulysses Guimarães. A programação também inclui painéis e workshops voltados para o empreendedorismo, além de encontros de negócios.

Continua depois da publicidade
PUBLICIDADE

Na expectativa de encontrar um investidor para sua inovação, o desenhista industrial Murilo Lana levou a ideia da startup PMK, que tem o objetivo de produzir impressoras 3D domésticas e periféricos em larga escala. O modelo de negócio já recebeu investimento para desenvolver o produto, mas agora precisa escalonar a produção.

Continua depois da publicidade


A escalonabilidade é exatamente uma das principais características necessárias para que um modelo de negócio inovador seja considerado uma startup. Segundo o presidente da Associação de Startups e Empreendedores Digitais do Brasil (Asteps), Hugo Giallanza, o negócio precisa ser repetível sem perder a qualidade.


"Quando você baixa um aplicativo que é brasileiro, consegue baixá-lo no Japão sem perder qualidade. No caso de uma padaria, talvez perca a qualidade pela falta dessa escala. Você não vai conseguir entregar um pão fabricado aqui, com a mesma qualidade, no Japão", explica.

Continua depois da publicidade


Segundo Hugo, é na tecnologia que estão as ferramentas ideais que possibilitam esses modelos de negócio. Por isso, depois de estabelecidas, muitas startups acabam mudando a forma de consumo de um determinado mercado. É o caso dos aplicativos de transporte individual, ou de distribuição de alimentos orgânicos, que fazem com que muitas pessoas prefiram consumir de uma nova forma, no lugar de irem pessoalmente até uma loja ou a um ponto de táxi, por exemplo.


O empreendedor Iuri Costa também levou a sua empresa Axies, que desenvolve jogos de realidade aumentada, para participar das competições promovidas pelo Sebrae dentro da Campus Party. Com quase seis anos de mercado, Iuri já considera a sua empresa consolidada, mas acha importante o processo de troca de conhecimento e experiência.


Segundo ele, nesse mercado, é muito importante ter foco no produto e na entrega, já que a tecnologia, com baixos custos, pode proporcionar grandes negócios. Esses pontos são destacados pelo empreendedor quando faz mentoria para quem está começando no segmento. Mais do que isso, ele considera que o propósito e a equipe são definitivos para que uma startup venha a ser uma grande empresa "É necessário encontrar um propósito louvável que te faça dormir mais tarde, acordar mais cedo, pessoas que também tenham esse mesmo conceito e, sem dúvida, dinheiro, afinal, você precisa de capital".

Ao longo dos cinco dias de Campus Party são esperados mais de 50 mil visitantes na área aberta ao público, onde estão os espaços disponibilizados para as startups. Com toda essa movimentação, a organização do encontro e parceiros como o Sebrae esperam um grande volume de negócios e investimentos em inovações. Para Hugo Giallanza esse tipo de oportunidade é excelente para que o Brasil cresça nesse mercado. "Enquanto uma empresa cresce 5%, 10% ao ano, uma startup cresce 3.000%. Trata-se de um fator determinante para que políticas públicas de estímulo a esse tipo de negócio sejam criadas. Nós vemos as startups como uma solução para o nosso país, como uma solução para crise que estamos vivemos", conclui.


Continue lendo