Pesquisar

Canais

Serviços

Gustavo Carneiro/Arquivo FOLHA
Continua depois da publicidade
Continua depois da publicidade
Compensar prejuízos da pandemia

Belinati defende pagamento de R$ 21,8 milhões para empresas de ônibus após receber críticas

Guilherme Marconi - Grupo Folha
02 dez 2021 às 17:46
Continua depois da publicidade

O prefeito de Londrina, Marcelo Belinati (PP), defendeu em coletiva de imprensa nesta quinta-feira (2) a assinatura do aditivo de R$ 21,8 milhões firmado no contrato com as duas concessionárias de ônibus do transporte coletivo para compensar a queda de passageiros durante a pandemia. 

Continua depois da publicidade
PUBLICIDADE


Foram realizados dois termos para atender o pedido de reequilíbrio financeiro das empresas, sendo  R$ 12,7 milhões pagos entre julho e dezembro deste em cinco parcelas à TCGL (Transportes Coletivos Grande Londrina) e outros R$ 7,3 mi para  a Londrisul. 

Continua depois da publicidade
Continua depois da publicidade


Além disso, a prefeitura fez no dia 10 de outubro deste ano o pagamento de mais R$ 1,87 milhão, valor que é referente ao PPR (Programa de Participações nos Resultados), que havia deixado de ser repassado aos trabalhadores das empresas em 2020.


Belinati defendeu o aditivo para compensar as perdas no transporte e evitar aumento de tarifa ou subsídio, mesmo anteriormente sinalizando que não faria medidas para socorrer empresas que operam o sistema.


"Eu reafirmei várias vezes que não faria subsídios e não fizemos. O próprio Tribunal de Contas não recomenda o subsídio, que não se antecipe isso (o pagamento). Fizemos os cálculos e só depois o município arcou com os custos. O subsídio é destinar recurso sem saber o que vai precisar. O reequilíbrio de contrato você suspende toda a parte de lucratividade. Ou seja, pagamos para manter o ônibus circulando." 

Continua depois da publicidade


Continue lendo na Folha de Londrina

Continue lendo