02/07/20
19º/LONDRINA
PUBLICIDADE
Weintraub

China chama de desprezíveis comentários de ministro do Brasil

Em mais um capítulo da crise política do governo brasileiro com a China durante a pandemia do novo coronavírus (Sars-CoV-2), a Embaixada do país asiático emitiu uma nota oficial nesta segunda-feira (06) sobre a mensagem escrita pelo ministro da Educação, Abraham Weintraub, em sua conta pessoal no Twitter.

Marcelo Camargo/Agência Brasil
Marcelo Camargo/Agência <a href='/tags/brasil/' rel='noreferrer' target='_blank'>Brasil</a>


"Em 5 de abril, o ministro da Educação do Brasil, Abraham Weintraub, ignorando a posição defendida pela parte chinesa em diversas gestões, fez declarações difamatórias contra a China em redes sociais, estigmatizando a China ao associar a origem da Covid-19 ao país. Deliberadamente elaboradas, tais declarações são completamente absurdas e desprezíveis, que tem cunho fortemente racista e objetivos indizíveis, tendo causado influências negativas no desenvolvimento saudável das relações bilaterais China-Brasil", diz a nota publicada.

O comunicado ainda destaca que "nenhum país" consegue lidar sozinho com a pandemia e que "a maior urgência neste momento é unir todos os países numa proativa cooperação internacional para acabar com a pandemia com a maior brevidade". "Instamos que alguns indivíduos no Brasil corrijam imediatamente seus erros cometidos e parem com acusações infundadas contra a China", finaliza a nota.

Neste domingo, Weintraub postou em sua conta uma capa do gibi da Turma da Mônica, em que aparece a bandeira da China e a sua famosa Muralha e escreveu, como o personagem Cebolinha, uma mensagem em que troca a letra R pelo L.

"Geopolíticamente, quem podeLá saiL foLtalecido, em teLmos Lelativos, dessa cLise mundial? PodeLia seL o Cebolinha? Quem são os aliados no BLasil do plano infalível do Cebolinha paLa dominaL o mundo? SeLia o Cascão ou há mais amiguinhos?", postou.

Essa é a segunda vez que uma pessoa próxima ao governo de Jair Bolsonaro causa uma crise com a China por conta da pandemia. Em 18 de março, o deputado federal Carlos Bolsonaro, filho do presidente, acusou o governo chinês de ocultar informações sobre a propagação do vírus. Pouco depois, o ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, agravou a situação ao dizer que o deputado não representava o governo.
Ansa Brasil
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Conteúdo relacionado:
Saúde
Medidas contra coronavírus reduziram poluição e salvaram 50 mil na China, diz pesquisador
Saiba mais
Carlos Bolsonaro amanhece sem contas nas redes sociais
Considerado como herói
China abre inquérito após morte de médico que fez alerta do coronavírus
Continue lendo
Bebefício
No último dia de prazo, 1,9 mi têm auxílio emergencial em análise
02 JUL 2020 às 17h39
Auxílio emergencial
Atualização de dados levou a problemas no aplicativo Caixa Tem
02 JUL 2020 às 17h30
Sem mais perigo
Ciclone deixa sul do Brasil e segue para oceano
02 JUL 2020 às 16h35
Tributo
Taxa de Manutenção de Cemitérios em Londrina vence nesta segunda-feira
02 JUL 2020 às 15h48
22 mil metros²
Sercomtel Telecomunicações leiloa dois terrenos em áreas nobres de Londrina
02 JUL 2020 às 15h35
Luto
Morre Jota Oliveira, ex-jornalista da Folha de Londrina
02 JUL 2020 às 14h45
Veja mais e a capa do canal
JORNAIS
Folha de Londrina
TELEVISÃO
MultiTV Cidades
OUTRAS EMPRESAS
Grafipress
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Bonde - Todos os direitos reservados