Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
São Paulo

Crime organizado pode ter ordenado ataques à polícia

Redação - Folha de Londrina
03 nov 2003 às 15:12
siga o Bonde no Google News!
Publicidade
Publicidade

A Secretaria de Segurança Pública está investigando os 11 ataques contra bases da polícia no Estado de São Paulo que aconteceram entre a madrugada de domingo e o início desta segunda-feira.

O secretário de Segurança Pública, Saulo de Castro, admitiu que uma das hipóteses que está sendo investigada é de que a ordem para a série de atentados teria partido do crime organizado.

Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade
Publicidade


Castro, no entanto, fez questão de ressaltar, que a polícia conseguiu nos últimos anos, minar as ações do Primeiro Comando da Capital (PCC), maior facção criminosa do Estado, e que apenas um líder do grupo, conhecido como "Ferrugem", está solto.

Leia mais:

Imagem de destaque
Relações internacionais

Longe da líder China, EUA miram qualidade na relação comercial com Brasil

Imagem de destaque
Críticas

Movimento 'Blockout' nas redes sociais mira celebridades nos EUA

Imagem de destaque
Treta

Travis Scott e Tyga brigam durante festa em Cannes

Imagem de destaque
Flórida

Justiça dos EUA marca julgamento de processo para indenização das vítimas do voo da Chapecoense


De acordo com secretário, a polícia investiga também se os atentados têm ligação com a tentativa frustrada de resgate de presos na Penitenciária Tarcísio Leonce Pinheiro Cintra, em Tremembé, no Vale do Paraíba.

Publicidade


Um guarda de muralha morreu ao trocar tiros com os bandidos. Um preso que iria ser resgatado foi baleado e também morreu. A hipótese de que as ações foram atos isolados também não está descartada.


Até agora, segundo Castro, foram apreendidos quatro veículos e cinco detentos que tentaram fugir da penitenciária foram interrogados. Nenhum suspeito de cometer a série de ataques foi detido até agora.

>> Leia a reportagem completa no iG, parceiro do Bonde


Publicidade

Últimas notícias

Publicidade