Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
53 partidas sem perder

Enxadrista acusado de usar plug anal é suspeito de trapacear em 112 jogos

Folhapress
07 out 2022 às 14:40
- Reprodução/ Instagram
siga o Bonde no Google News!
Publicidade
Publicidade

O escândalo no mundo do xadrez envolvendo o americano Hans Niemann, de 19 anos, ganhou um novo capítulo. O jornal The Wall Street Journal teve acesso ao relatório de uma investigação feita pela plataforma Chess.com que apontou sinais de trapaça em mais de 100 partidas online de Niemann até 2020.


No mês passado, o americano foi acusado de trapacear na surpreendente vitória contra o pentacampeão mundial Magnus Carlsen na Sinquefield Cup, um torneio nos Estados Unidos. A derrota acabou com a invencibilidade de dois anos do norueguês. Foram 53 partidas sem perder.

Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade
Publicidade


Depois da partida, algumas teorias foram criadas para acusar o americano de trapacear. A mais inusitada surgiu no Reddit e diz que Niemann trapaceou usando plugs anais eletrônicos conectados a um computador que lhe permitiriam receber os movimentos a serem realizados através de vibrações em código Morse. Após a derrota, Carlsen se retirou da competição e depois acusou o rival de ter trapaceado mais vezes do que admitiu.

Leia mais:

Imagem de destaque

Militar dos EUA morre após atear fogo em si mesmo ao lado da embaixada de Israel

Imagem de destaque
Jovens devolvidos ao Brasil

Argentina aperta cerco contra estudantes brasileiros sem visto e 'falsos turistas'

Imagem de destaque
Medidas de precaução

Argentina vive explosão de casos de dengue e invasão de mosquitos

Imagem de destaque
Topless em frente à catedral

Ucraniana do OnlyFans é procurada pela Rússia por topless na Praça Vermelha


No passado, o enxadrista de 19 anos já reconheceu que trapaceou em jogos de xadrez online quando era mais novo, aos 12 e aos 16 anos. Agora, o The Wall Street Journal analisou o relatório da investigação feita pelo Chess.com, que descobriu que as trapaças são maiores do que ele admitiu publicamente.

Publicidade


A investigação apontou que Niemann provavelmente recebeu ajuda em 112 partidas, muitas realizadas em torneios que distribuíram premiações em dinheiro.


O site usa uma variedade de ferramentas de detecção de trapaças, incluindo análises que comparam movimentos com aqueles recomendados por computadores capazes de derrotar até mesmo os maiores jogadores todas as vezes. Segundo o jornal, Niemann confessou as alegações e que foi posteriormente banido do site por um tempo.

Publicidade


O relatório de 72 páginas também destacou "muitos sinais notáveis e padrões incomuns no caminho de Hans como jogador" ao longo da carreira, mas não chegou a uma conclusão se ele trapaceou em partidas presenciais.


De acordo com o The Wall Street Journal, identificar trapaças em jogos presenciais continua sendo um grande desafio. A principal razão é que os grandes mestres de xadrez que trapaceiam requerem muito pouca ajuda. Alguns movimentos sutis podem ser suficientes para vencer um campeão mundial. Isso torna difícil provar as trapaças, a menos que um jogador seja pego em flagrante, como usando um telefone no banheiro, usando um ponto eletrônico no ouvido ou recebendo sinais de alguém na plateia.

Publicidade


O relatório também aborda a análise feita por Niemann das jogadas que fez contra Carlsen. Alguns dos principais jogadores disseram que o americano mostrou uma falta de compreensão das jogadas que ele mesmo realizou.


Ainda segundo o relatório, Carlsen disse que a partida contra Niemann foi diferente de qualquer jogo que ele já disputou, que o americano parecia jogar sem esforço.


Por fim, o documento aborda a relação entre Carlsen e o Chess.com, que está comprando o aplicativo "Play Magnus", do norueguês, por quase US$ 83 milhões (cerca de R$ 432 milhões).


O relatório diz que as ações de Carlsen após a Sinquefield Cup os levaram a reavaliar o comportamento de Niemann, mas que o norueguês "não conversou, pediu ou influenciou diretamente nas decisões do Chess.com".




Publicidade

Últimas notícias

Publicidade