Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Saúde

País elimina transmissão da doença de Chagas

Redação Bonde
10 jun 2006 às 16:16
siga o Bonde no Google News!
Publicidade
Publicidade

O Brasil é o primeiro país da América Latina a acabar com a transmissão da doença de Chagas pelo barbeiro (Triatoma infestans). O reconhecimento é da Organização Pan-Americana de Saúde (Opas), que nesta sexta-feira entregou ao ministro da Saúde, Agenor Álvares, a Certificação Internacional de Eliminação da Transmissão da Doença de Chagas.

Para conceder o certificado, desde 2000, uma comissão internacional formada por especialistas em Saúde das Américas visitou cada estado brasileiro para verificar a predominância do barbeiro nas residências.

Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade
Publicidade


Em 2005, das cerca de 1,9 milhão de casas visitadas, foram encontrados pouco mais de 200 insetos, mas todos sem risco de transmitir a doença. Há cerca de 20 anos, a mesma pesquisa encontrou 250 mil barbeiros na mesma amostragem de casas.

Leia mais:

Imagem de destaque
Crystal

Como funciona o Cirque du Soleil, que leva espetáculo de gelo ao Rio e a São Paulo

Imagem de destaque
Proibido em 21 países

Saiba como é a legislação sobre aborto ao redor do mundo

Imagem de destaque

PL antiaborto deixa a lei brasileira tão dura quanto a de países como Afeganistão e Indonésia

Imagem de destaque
Veja vídeo

Kate Middleton faz primeira aparição pública oficial após confirmar câncer


De acordo com a Opas, a Bahia foi o último estado brasileiro que apresentou transmissão da doença de Chagas pelo barbeiro. "A Organização Mundial da Saúde e o sanitarismo da América comemoram o triunfo para o Brasil, para a América e para o mundo. Esse é um aporte que o Brasil faz à América e para o mundo", diz o representante da organização no Brasil, Horácio Toro.

Publicidade


Outra evidência de que a transmissão pelo barbeiro está interrompida foi a conclusão de exames de sangue feitos em crianças de zero a cinco anos para detectar a doença – apenas oito casos foram confirmados, dentre as 90 mil amostras colhidas.


Segundo o secretário de Vigilância em Saúde, Jarbas Barbosa, o desafio agora é manter a vigilância permanente. "Mesmo com a eliminação do Triatoma infestans, temos outros vetores, que são vetores silvestres e não são erradicáveis. Então sempre persistirá o risco. Mas a doença de Chagas agora no Brasil passará a ser uma doença ocasional, acidental, e de um número muito pequeno de casos", afirma.

Agência Brasil


Publicidade

Últimas notícias

Publicidade