Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Livres da insulina

Unicamp desenvolve cirurgia capaz de curar diabetes

Heloísa Prado - Bonde
03 nov 2006 às 18:15
siga o Bonde no Google News!
Publicidade
Publicidade

Os médicos da Universidade de Campinas (Unicamp), no interior de São Paulo, estão testando uma nova cirurgia capaz de curar pacientes de diabetes. De acordo com o Terra, a novidade foi divulgada nesta sexta-feira (3) pelo Jornal Hoje. Segundo a reportagem do telejornal, até agora cinco pessoas foram submetidas ao procedimento e quatro já estão curadas, dispensando até mesmo a insulina -a quinta conseguiu reduzir em até 80% a ingestão da substância.

O estudo começou depois da constatação de que 90% dos pacientes obesos com diabetes que passavam pela cirurgia de redução de estômago ficavam curados da doença. Antes, a melhora era atribuida à própria diminuição do peso, razão da cirurgia, mas já havia redução da taxa de glicemia antes mesmo do emagrecimento, inclusive no pós-operatório. Então, os médicos da Unicamp decidiram investigar.

Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade


Durante a cirurgia de redução de estômago, além da diminuição do tamanho do orgão, é feito um desvio para o alimento de forma que ele evite a primeira parte do intestino. Os médicos da Unicamp descobriram que esse procedimento secundário provoca o aumento de uma substância chamada GLP1 que, por sua vez, estimula o pâncreas a produzir insulina.

Leia mais:

Imagem de destaque
Cantora francesa

Françoise Hardy pediu a Macron em carta a legalização da eutanásia

Imagem de destaque

Acordo evita que torcedores condenados por racismo contra de Vinicius Jr. sejam presos

Imagem de destaque
Em julho

Google vai testar 1° no Brasil bloqueio automático de tela de celular

Imagem de destaque
De Guarulhos

Gol anuncia voos diretos para a Costa Rica a partir de novembro

A nova técnica parte direto para esse desvio, dispensando a redução do estômago, mas costurando o orgão no intestino entre 70 e 80 centímetros depois do ponto original. Assim, pode ser aplicada até mesmo a pacientes não obesos, caso das cinco pessoas que foram submetidas à cirurgia até agora.


Publicidade

Últimas notícias

Publicidade