Pesquisar

Canais

Serviços

- Gustavo Carneiro - Grupo Folha
Continua depois da publicidade
Continua depois da publicidade
Medida cautelar

Câmara de Rolândia precisa interromper pagamento de horas extras, determina o Tribunal de Contas

Guilherme Marconi - Grupo Folha
16 ago 2021 às 17:41
Continua depois da publicidade

O TC (Tribunal de Contas) do Paraná determinou que a Câmara Municipal de Rolândia (região metropolitana de Londrina) interrompa, de forma definitiva, o pagamento irregular de horas extras a servidores da entidade e confirmou uma medida cautelar emitida em 2019.

Continua depois da publicidade
PUBLICIDADE


De acordo com a decisão, servidores que recebem gratificação de função estavam sendo agraciados com o benefício, assim como funcionários que trabalham durante a realização das sessões plenárias no Legislativo. Conforme o entendimento do relator do processo, conselheiro Artagão de Mattos Leão, fundamentado na jurisprudência do próprio TCE-PR, o pagamento de horas extras por serviços prestados durante as reuniões não é devido pois, como elas acontecem sempre às segundas-feiras, não podem ser qualificadas como excepcionais e temporárias.

Continua depois da publicidade


Ainda segundo o conselheiro, a concessão desse benefício a funcionários contemplados com gratificação de função é proibida pelo artigo 37, inciso V, da Constituição Federal. Segundo o dispositivo, as funções gratificadas são destinadas às atribuições de direção, chefia ou assessoramento, motivo pelo qual estão vinculadas ao regime especial de dedicação integral, não sendo possível se falar em extrapolação de jornada nesses casos.

Continue lendo em Folha de Londrina.

Continua depois da publicidade


Continue lendo