Pesquisar

Canais

Serviços

Prefeitura deve comprar 30 unidades para uso dos patrulheiros da Guarda Municipal - André Renato/PMM
Continua depois da publicidade
Continua depois da publicidade
Choque paralisante

Maringá será a 2ª do PR a adotar armas não letais

Redação Bonde
31 dez 1969 às 21:33
Continua depois da publicidade

O município de Maringá é o segundo no Paraná a adotar, nos m patrulhamentos policiais, armas não letais que emitem choques elétricos. Nesta segunda-feira (2), representantes da empresa americana fabricante deste tipo de armamento esteve na cidade para uma demonstração de uso da arma Taser. Até hoje, somente o município de São José dos Pinhais utilizava este tipo de arma.

Continua depois da publicidade
PUBLICIDADE

A arma foi testada por várias autoridades policiais de Maringá e aprovada. A intenção da administração municipal é analisar o equipamento para futuramente adquirir 30 armas não letais para a Guarda Municipal. O investimento será de 180 mil reais.

Continua depois da publicidade


De acordo com o fabricante, a arma emite impulsos elétricos que paralisam o indivíduo, interrompendo a comunicação do cérebro e corpo entre 10 segundos e 30 minutos, dependendo da carga utilizada, preservando a integridade física do alvo.


Outro ponto favorável é que armamento tem um sistema que permite identificar todas as vezes que a arma foi utilizada, através de confetes com o número de série da arma que são liberados em cada disparo, registrando o dia, a hora e quantas vezes o gatilho foi acionado.


A arma vem sendo introduzida na Segurança Pública do país desde 2007. Atualmente cerca de 30 municípios contam com o armamento como item de segurança. Além disso a pistola não letal é utilizada também pela Polícia Federal, Força Nacional de Segurança e Segurança do Senado e Câmara Federal. A Polícia Militar do Paraná acaba de adquirir 150 armas.

Continua depois da publicidade

De acordo com o representante da Taser no Brasil, Elton Clemente Junior, a arma é 100% confiável. "A Taser é altamente eficiente, sendo uma alternativa para as funções policiais como opção não letal, antes do último recurso, que é a arma de fogo. Não há risco nem para os suspeitos nem para os agentes de segurança", afirma o representante.

"Se o prefeito Silvio Barros tiver interesse nossos patrulheiros terão mais esse equipamento de segurança para utilizar na proteção do cidadão. Lembrando que fazemos um trabalho de prevenção e de auxílio à área de segurança da cidade", comenta o gerente da Defesa Social, Paulo Mantovani. As informações são da Prefeitura de Maringá.


Continue lendo

Últimas notícias

Publicidade