Pesquisar

Canais

Serviços

Continua depois da publicidade
Continua depois da publicidade
Avaliados em R$ 30 mil

Longa perseguição acaba com apreensão de agrotóxicos

Redação Bonde com Sesp-PR
10 mar 2010 às 20:01
Continua depois da publicidade

A polícia prendeu na terça-feira (9) à noite, em Foz do Iguaçu, um homem suspeito de contrabandear agrotóxicos do Paraguai. Ele foi preso na BR 277, após uma longa perseguição.

Continua depois da publicidade
PUBLICIDADE

No carro de Dario Enrique Frutos, com placas de Bauru, interior de São Paulo, havia mais de 300 quilos de agrotóxicos, avaliados em mais de R$ 30 mil. Trata-se de produtos com venda controlada pelo Ministério da Saúde.

Continua depois da publicidade


O delegado chefe do Divisão Estadual de Narcóticos (Denarc) em Foz do Iguaçu, Renato Coelho de Jesus, explicou que, na fuga, o suspeito atropelou um mototaxista em Foz do Iguaçu. A vítima foi socorrida por policiais militares e levada com escoriações a um hospital.


"O carro que Frutos dirigia já era investigado, pois tínhamos informações de que era usado por traficantes para transporte de drogas. Ao final da perseguição, fomos surpreendidos com a carga de agrotóxicos, que precisa de autorização especial para ser transportada" explicou o delegado.


Após atropelar o mototaxista, o suspeito tomou a BR 277 rumo a Cascavel. Após sete minutos de perseguição, Frutos foi interceptado no trevo de acesso ao bairro de Três Lagoas. No carro, ele levava diversas caixas dos agrotóxicos Inseticida Imidacloprid 70 e Guapo 70 Polvo Mojable, de origem estrangeira e de circulação e uso proibidos no Brasil sem autorização. Escondido no painel, do carro os policiais descobriram um rádio transmissor sintonizado na freqüência usada pela polícia.

Continua depois da publicidade

Segundo a polícia, os agrotóxicos seriam levados a Lindoeste, cidade próxima a Cascavel. Pelo serviço, Frutos receberia R$ 200. O suspeito foi encaminhado para a Polícia Federal, onde seria autuado em flagrante por contrabando, crimes contra a saúde pública e a lei das telecomunicações. Pelos crimes, ele pode ficar mais de cinco anos preso.


Continue lendo

Últimas notícias

Publicidade