11/07/20
24º/LONDRINA
PUBLICIDADE
Saiba mais

Polícia Civil e MP realizam operação ligada ao caso Marielle, diz TV

A Polícia Civil e o MP-RJ (Ministério Público do Rio de Janeiro) fazem uma operação nesta terça (30) contra integrantes do chamado Escritório do Crime, milícia com atuação na zona oeste da capital fluminense que se dedica a homicídios por encomenda.

Divulgação
Divulgação


A ação, batizada de Tânatos, numa referência ao 'Deus da Morte' na mitologia grega é um desdobramento da investigação sobre os assassinatos da vereadora Marielle Franco e do motorista Anderson Gomes, em março de 2018, segundo a emissora Globonews.

Além de mandados de busca e apreensão, os agentes também cumprem pedidos de prisão de denunciados por compor a organização criminosa. Foram presos no início da manhã Leonardo Gouvêa da Silva, vulgo MAD, e Leandro Gouvêa da Silva, conhecido como Tonhão.

Segundo o Ministério Público, a operação é resultante de três denúncias sobre supostos crimes cometidos pelo grupo, que possuía ligação com Adriano Magalhães da Nóbrega, conhecido como Capitão Adriano, "que exercia forte influência sobre o bando". Adriano morreu em fevereiro deste ano durante operação que buscava prendê-lo na Bahia.

Adriano, de acordo com o MP, é apontado como mandante do homicídio de Marcelo Diotti da Mata, na noite do dia 14 de março de 2018, mesmo dia em que Marielle e Anderson foram assassinados. Diotti seria visto como desafeto do grupo, segundo a investigação, e já havia sido detido por homicídio e exploração de máquinas de caça-níqueis.

O grupo também é apontado como autor da tentativa de assassinato do PM reformado Anderson Cláudio da Silva, o Andinho, e do também PM Natalino dos Santos Rodrigues, em janeiro de 2018, em Bangu. O primeiro não foi atingido pelos disparos e o segundo, apesar de atingido, sobreviveu ao ataque.

"Após essa data, apurou-se que os denunciados, em diferentes dias, se deslocaram a outros endereços vinculados a Anderson, com o intuito de monitorar sua rotina, em busca de obter êxito em uma segunda investida criminosa, que veio a ocorrer em 10 de abril do mesmo ano", informou o Ministério Público.

De acordo com a promotoria, Leonardo exerce a chefia sobre os demais e seu irmão, Leandro, atua como motorista do grupo, tendo ainda como tarefa o levantamento, a vigilância e o monitoramento dos alvos.

Outros dois denunciados cumprem funções semelhantes, sendo ainda braços armados: João Luiz da Silva, o Gago, e Anderson de Souza Oliveira, o Mugão, ambos ex-policiais militares.
Folhapress
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Conteúdo relacionado:
Democracia
'Brasileiro não permitirá retrocesso institucional', diz Maia sobre apoio de 75% à democracia
Mais uma...
Universidade alemã diz que ministro da Educação não tem título de pós-doutorado que ele alegou
Após prisão de Queiroz
TJ do Rio concede foro especial a Flávio Bolsonaro no caso das 'rachadinhas'
Continue lendo
Tecnologia
Faça backup dos dados do WhatsApp e transfira para o seu Android ou iPhone
10 JUL 2020 às 17h40
Entenda
Crise econômica faz crescer demanda por empréstimos durante a pandemia
10 JUL 2020 às 17h32
Recadastramento anual
Prova de vida de aposentados e pensionistas é suspensa até setembro
10 JUL 2020 às 16h12
Mercadoria do Paraguai
Cinco pessoas são presas por contrabando de produtos eletrônicos em Arapongas
10 JUL 2020 às 15h31
Conselho de Educação
Bolsonaro nomeia olavista, professor da UEL e dono de universidade para CNE
10 JUL 2020 às 14h42
Confira as datas
Caixa antecipa saque do auxílio emergencial do terceiro lote
10 JUL 2020 às 14h31
Veja mais e a capa do canal
JORNAIS
Folha de Londrina
TELEVISÃO
MultiTV Cidades
OUTRAS EMPRESAS
Grafipress
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Bonde - Todos os direitos reservados