Pesquisar

Canais

Serviços

- Divulgação/Polícia Civil
Continua depois da publicidade
Norte do Paraná

Polícia tenta identificar ossada de criança encontrada em 2014 no Norte do Paraná

Rafael Machado - Redação Bonde
16 mar 2016 às 16:47
Continua depois da publicidade

Há quase dois anos, a Polícia Civil de Ribeirão do Pinhal (57 km a oeste de Jacarezinho), no Norte Pioneiro, busca meios para tentar identificar uma ossada encontrada no dia 17 de agosto de 2014 na área rural de Jundiaí do Sul, município vizinho à Pinhal e que, segundo o último Censo do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), possui 3.433 habitantes.

Continua depois da publicidade
PUBLICIDADE

Na ocasião, um investigador foi chamado por um agricultor que localizou os ossos em sua propriedade. Em depoimento coletado dias depois, o ruralista disse que não tinha o hábito de andar por aquela região, mas decidiu passar pelo local enquanto arava a terra. Ele teria encontrado o esqueleto já desmembrado. "O senhor se assustou bastante, afinal, nunca tinha visto uma cena como aquela", relatou, em entrevista do Portal Bonde, o delegado de Ribeirão do Pinhal, Isaías Fernandes, que coordena as investigações.

Continua depois da publicidade


A Polícia Civil abriu inquérito e começou a apurar o caso. O local é bem afastado, até porque a extensão rural de Jundiaí do Sul é bem grande. "Acreditamos que os ossos estavam na propriedade desde meados de 2013. Trata-se de uma região erma, onde o movimento de populares é pequeno. Contactamos os vizinhos, mas ninguém deu alguma informação importante", comentou o delegado.


A ossada foi levada para uma análise mais minuciosa do médico-legista do Instituto Médico Legal (IML) de Jacarezinho, também no Norte Pioneiro. Os exames, porém, não revelaram a idade e nem o sexo da pessoa morta. "Mesmo assim, pela minha experiência, acredito que estamos falando de uma criança entre 9 e 15 anos de idade. Além dos ossos, encontramos alguns vestígios que nos levaram à essa linha de investigação", reforçou Fernandes.


Um sutiã, uma bermuda e também um chinelo foram encontrados pelos investigadores de plantão. A polícia suspeita que a vítima seja uma garota, alvo de um ataque sexual. Ela teria sido abandonada na propriedade rural logo após o crime. Diante desta possibilidade, o delegado Isaías Fernandes, em janeiro de 2015, levou o caso até o Serviço de Investigação de Crianças Desaparecidas (Sicride), instalado em Curitiba. "Tentamos confrontar o material genético com perfis de familiares de vítimas de crimes sexuais. Até agora, não tivemos nenhuma resposta", avaliou.

Continua depois da publicidade


Agora, o Sicride deve mapear as características no banco de dados da instituição. "O sistema é muito desatualizado. Os responsáveis das crianças encontradas após a denúncia não retornam à delegacia para dar baixa. O que sabemos é que o crime foi cometido em 2014, mas não recolhemos nenhuma digital por conta da ação do clima, o que dificultou a investigação", concluiu o delegado.


Divulgação/Polícia Civil
Divulgação/Polícia Civil

Qualquer informação pode ser levada até à sede da Delegacia de Polícia Civil de Ribeirão do Pinhal, localizada na avenida Silveira Pinto, 1532, Vila Hermínia. O telefone é o (43) 3551-1202.


Continue lendo

Últimas notícias

Publicidade