Pesquisar

Canais

Serviços

Continua depois da publicidade
Continua depois da publicidade
Investigação

Presos acusados de queimar corpos em Londrina

Loriane Comeli - Redação Bonde
31 dez 1969 às 21:33
Continua depois da publicidade

Policiais civis de Londrina prenderam nesta quinta-feira (19) dois suspeitos de terem matado duas pessoas cujos restos mortais foram encontrados em uma chácara na zona norte da cidade em 14 de fevereiro. Aquilino Jean Almeida Machado, 27 anos, foi preso pela manhã no Jardim Santa Mônica, na zona norte, e Eduardo Henrique de Almeida Lucena, 32, foi preso à tarde, próximo do Hospital Evangélico, no centro.

Continua depois da publicidade
PUBLICIDADE

As prisões ocorreram a partir de mandados de prisão temporária (por 30 dias) expedidos ontem pela Justiça, segundo informou o delegado-chefe da 10ª Subdivisão Policial, Sérgio Barroso.

Continua depois da publicidade


O delegado não revelou como as investigações levaram aos dois suspeitos. Ele limitou-se a relembrar o caso. Em 13 de fevereiro, os policiais encontraram na chácara da zona norte um veículo furtado, um roubado, chaves michas e 500 gramas de cocaína e crack, além de prenderem quatro pessoas. No dia seguinte, encontraram os corpos, que foram queimados juntamente com pneus velhos. A forma como os ossos foram encontrados queimados lembra uma ação praticada por traficantes das favelas do Rio de Janeiro conhecida como "microondas".


Foi coletado material genético dos restos mortais dos dois corpos, que será confrontado com o de familiares de dois rapazes desaparecidos. Um deles era de Ponta Grossa, mas antes de sua morte havia se estabelecido em Londrina, onde morava e trabalhava. O outro já havia tinha passagens por furto e roubo. "Acreditamos que as vítimas eram membros da quadrilha e suas mortes foram motivadas por um acerto de contas", disse Barroso. O exame, elaborado no Instituto de Criminalística de Curitiba, ainda não está pronto.

Os dois irmãos presos hoje serão indiciados por tráfico de drogas, formação de quadrilha, receptação e homicídio. Os quatro presos em 13 de fevereiro, que continuam na cadeia, foram indiciados pelos mesmo crimes, com exceção de homicídio.


Continue lendo

Últimas notícias

Publicidade