Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
"Câmara é um poder independente"

Belinati evita polêmica e deve sancionar projetos de salários e mais comissionados na Câmara

Guilherme Marconi - Grupo Folha de Londrina
01 mar 2024 às 14:19
- CML/Imprensa/ Devanir Parra/Arquivo
siga o Bonde no Google News!
Publicidade
Publicidade

O prefeito Marcelo Belinati (PP) foi questionado se irá sancionar os dois projetos de lei polêmicos aprovados nesta semana na Câmara Municipal, em dois turnos. Em coletiva de imprensa nesta sexta-feira (01), após o evento da agenda positiva do Executivo, o prefeito se esquivou ao ser questionado sobre o tema.  “A Câmara é um poder independente, essa é uma decisão interna dos vereadores, enfim, é uma decisão deles”, resumiu.


Questionado, o prefeito não a respondeu se irá vetar os dois projetos que tratam da recomposição salarial dos vereadores, de 3,82% que corresponde à reposição da inflação e da criação de três novos cargos comissionados: diretor de comunicação, diretor administrativo e ouvidor, com salários de 19,112,38 e do ouvidor R$ 16.675,56, respectivamente.

Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade
Publicidade


Belinati foi evasivo nas respostas e repetiu a discurso de autonomia de gestão dos recursos. “É o sistema político que funciona dessa maneira. Cada poder tem sua autonomia de gestão de recursos. Vocês não criticam quando o Executivo tenta interferir nas decisões do Legislativo?”

Leia mais:

Imagem de destaque

Presidente Lula sanciona, com veto, projeto que proíbe saidinha de presos

Imagem de destaque
Em primeiro turno

Câmara aprova projeto para inclusão de surdos em concursos públicos em Londrina

Imagem de destaque
Frente Parlamentar da Agropecuária

ExpoLondrina: Arthur Lira fala em incômodo com ‘interferências do Judiciário'

Imagem de destaque
Julgamento de cassação

Juízes do caso Moro no TRE evitam Lava Jato, mas fazem comentários sobre operação


Em votação dividida que se repetiu nos dois turnos, com 10 votos favoráveis e nove contrários, a Câmara aprovou o projeto 19/2024 que trata de um minirreforma administrativa com criação de cargos em comissão. 


Já o projeto de lei 21/2024 que prevê a recomposição de 3,82% dos vencimentos dos próprios vereadores com retroativo a fevereiro, passou com 11 votos favoráveis. Os dois projetos de lei encabeçados pelo presidente da Câmara Municipal Emanoel Gomes (Republicanos) e seguirão para a sanção do prefeito. 


A Mesa Executiva da Câmara recuou sobre o pl 20/2024 que fixava para 2025 o salário dos vereadores em R$ 15.600,00 e do presidente da Câmara em R$ 18.200,00.  O texto substituto baixou valores para R$ 14.157,50 mais a reposição salarial a ser calculada no próximo ciclo e deve ser votado na próxima sessão de terça-feira (5).

Publicidade

Últimas notícias

Publicidade