Pesquisar

Canais

Serviços

- Isaac Fontana/FramePhoto/Folhapress
Decisão do TSE

Boca Aberta diz que cassação foi 'golpe' e já se lança candidato a deputado em 2022

Simoni Saris/Grupo Folha
25 ago 2021 às 14:54
Continua depois da publicidade

Em entrevista coletiva concedida à imprensa na manhã desta quarta-feira (25), o deputado federal cassado Emerson Miguel Petriv, o Boca Aberta (PROS), chamou de "golpe” o processo que culminou com a perda de seu diploma e insinuou que a cassação teria sido orquestrada para beneficiar o ex-deputado federal e ex-ministro da Justiça do governo Michel Temer (MDB) Osmar Serraglio, que deverá assumir a vaga dele na Câmara Federal. Boca Aberta também disse que irá recorrer da decisão, argumentou que não está inelegível e aproveitou a ocasião para anunciar sua pré-candidatura ao cargo de deputado federal nas eleições de 2022.

Continua depois da publicidade


Na noite de terça-feira (24), os ministros do TSE (Tribunal Superior Eleitoral) decidiram, por unanimidade, pela cassação do diploma de Boca Aberta. Com parecer favorável do MPE (Ministério Público Eleitoral), o pedido de anulação do diploma parlamentar foi feito por meio de quatro recursos interpostos pelo MPE e pelos suplentes da coligação Valdir Rossoni (PSDB), Osmar Serraglio (PP) e Evandro Roman (PATRI). As ações foram fundamentadas na cassação do mandato do então vereador Boca Aberta na Câmara Municipal de Londrina, em outubro de 2017, que o tornaria inelegível e, portanto, não poderia ter concorrido às eleições para a Câmara Federal em 2018. O mandato de Boca Aberta no Legislativo municipal aconteceu por quebra de decoro parlamentar após ele ter feito uma vaquinha virtual para arrecadar recursos para o pagamento de uma multa eleitoral.

Continua depois da publicidade


Durante a coletiva desta quarta, em seu comitê permanente, na zona norte de Londrina, cercado de apoiadores e acompanhado de sua esposa, a vereadora Mara Boca Aberta (PROS), o deputado federal cassado afirmou ter recebido o resultado do julgamento do TSE "com muita tranquilidade”, mas girou sua metralhadora verbal na direção dos ministros que decidiram pela cassação, especialmente ao presidente do TSE, Luís Roberto Barroso, e Alexandre de Moraes. "Fui cassado ontem, por um golpe, um tapetão, no TSE”, disse Boca Aberta.


Da decisão ainda cabe recurso e o parlamentar cassado adiantou que tentará reverter o resultado do julgamento, mas disse não acreditar que terá reconhecido o direito de voltar a ocupar uma cadeira na Câmara Federal. "Para a minha família Boca Aberta, não existe uma justiça no plano terrestral (sic), só no plano celestial. Então, nós vamos recorrer, mas é praticamente impossível esse recurso.”

Continua depois da publicidade


Boca Aberta criticou a atuação, no julgamento, do ministro Barroso, cuja atuação classificou de "aberração da aberração jurídica”. "Concorremos à eleição, tivemos 91 mil votos, com a candidatura deferida, com a candidatura homologada pelos sete desembargadores do TRE. Então, não tinha impedimento nenhum”, declarou. "Fomos eleitos democraticamente, fomos para as urnas, fomos testados e fomos diplomados.” O parlamentar cassado disse estar sendo perseguido por Barroso e Moraes por formar a base de apoio do presidente Jair Bolsonaro na Câmara. "É do lado do presidente? Nós vamos passar a degola e vamos cortar. Foi isso o que aconteceu. À luz da lei, ontem, a gente estaria como deputado hoje, mas eles julgaram ao arrepio da lei, à margem dela.”


Ele também criticou o corregedor do TSE, o ministro Luís Felipe Salomão, a quem acusou de ter incluído o julgamento sobre a cassação do seu diploma "a toque de caixa” na pauta da sessão do tribunal. "Foi o último dia dele (Salomão) como ministro da Corte e ele colocou como único processo que tinha para se julgar o meu. Não tinha mais pauta nenhuma. Ele colocou, fez o voto para cassar”, disse Boca Aberta. A saída de Salomão do TSE deve acontecer em outubro.


O deputado cassado insinuou ainda que a cassação teria sido orquestrada por Osmar Serraglio, que deve ficar com a vaga deixada por ele na Câmara Federal. Segundo Boca Aberta, antes do julgamento Serraglio teria feito uma carta de apoio aos ministros Alexandre de Moraes e Luís Roberto Barroso e distribuído pessoalmente o documento. "Ele tem trânsito muito forte (no TSE). Quando ele entra no TSE, no STF, ele não precisa nem tocar nas maçanetas das portas. As portas se abrem automaticamente. Então, o povo de Londrina é suficientemente inteligente para entender o que eu estou falando.”


Procurado pela reportagem, o advogado de Serraglio, Leandro Rosa, respondeu que a alegação de Boca Aberta é "vazia” porque a tramitação e o julgamento foram acompanhados por ele, como advogado, e não por Serraglio. "O Serraglio não fez qualquer tipo de manobra. Aliás, tanto é assim que o dia do julgamento demorou a chegar em razão das várias situações criadas pelo Emerson para atrasar a resolução do caso. Além disso, a decisão do TSE foi unânime.”


Ao final da coletiva, Boca Aberta disseavaliou ter cumprido seu papel, que deixará o cargo de cabeça erguida e mandou um recado ao povo de Londrina. "Não acredite em Brasília, Brasília não vai resolver nada para você, infelizmente. É daqui para pior”, disse ele, embora durante a entrevista tenha anunciado sua pré-candidatura ao cargo de deputado federal nas eleições do ano que vem, assim como uma possível candidatura de Mara Boca Aberta ao senado e a candidatura à reeleição de Boca Aberta Jr (PRTB) à Assembleia Legislativa.

Continue lendo