19/06/21
PUBLICIDADE
Com mais de 350 mil óbitos

Bolsonaro diz aguardar sinal da população para tomar providências na pandemia

Tânia Rego/Agência Brasil
Tânia Rego/Agência <a href='/tags/brasil/' rel='noreferrer' target='_blank'>Brasil</a>


Ao comentar uma reportagem sobre o avanço da fome durante a pandemia do coronavírus, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) disse a apoiadores nesta quarta-feira (14) que está aguardando a população "dar uma sinalização" para ele "tomar providências".

Bolsonaro abordou uma reportagem do jornal Correio Braziliense sobre estudo do movimento Food for Justice que indica que 6 em cada 10 domicílios brasileiros passaram por uma situação de insegurança alimentar de agosto a dezembro de 2020, totalizando 125 milhões de brasileiros.

"O Brasil está no limite. Pessoal fala que eu devo tomar providências, estou aguardando o povo dar uma sinalização. Porque a fome, a miséria, o desemprego está aí, pô, só não vê quem não quer ou não está na rua", afirmou o presidente, como mostra gravação divulgada por um canal bolsonarista na internet.
"Só digo uma coisa: eu faço o que o povo quiser que eu faça", insistiu o presidente.

Desde o início de 2020, quando o coronavírus começava a se espalhar pelo mundo, Bolsonaro tem dado declarações nas quais busca minimizar os impactos da pandemia, que já deixou mais de 350 mil óbitos no Brasil.

Ele já usou as palavras histeria e fantasia para classificar a reação da população e da imprensa à pandemia. Ele costuma criticar as medidas de isolamento social no país e disse que os problemas precisam ser enfrentados pela população.

Bolsonaro também distribuiu remédios ineficazes contra a doença, incentivou aglomerações, atuou contra a compra de vacinas, espalhou informações falsas sobre a Covid-19 e fez campanhas de desobediência a medidas de proteção, como o uso de máscaras.

Agora o presidente é o principal alvo de uma CPI no Senado para apurar, entre outros pontos, ações e omissões do governo federal na gestão da pandemia.

Nesta quarta-feira, como tem feito nos últimos dias, Bolsonaro disse que "estamos na iminência de ter um problema sério no Brasil" e que "parece que é um barril de pólvora que está aí".

"A temperatura está subindo, a população está cada vez numa situação mais complicada. Eu gostaria que o pessoal que usa paletó e gravata, que decide, visite aí a periferia, converse com a população, converse com a sua empregada doméstica em casa, esta não está impedida de trabalhar", disse Bolsonaro.

As declarações são argumentos para transferir a culpa da fome e de um eventual caos social a prefeitos e governadores que adotam medidas restritivas para conter a disseminação do coronavírus.

Na mesma conversa com apoiadores, dirigindo-se aos "amigos do Supremo Tribunal Federal", Bolsonaro disse que "daqui a pouco vamos ter uma crise enorme aqui". Bolsonaro fez uma rápida menção a "um ministro [que] despachou lá um processo por genocídio", argumentando que não foi ele quem "fechou tudo".

A ministra Cármen Lúcia, do STF, pediu que o presidente da corte, ministro Luiz Fux, marque julgamento de notícia-crime contra Bolsonaro por suspeita de genocídio contra indígenas durante a pandemia.

"Eu não estou ameaçando ninguém, mas estou achando que brevemente teremos um problema sério no Brasil. Dá tempo de mudar ainda. É só parar de usar menos a caneta e um pouco mais o coração", afirmou o presidente da República.

Bolsonaro também voltou a criticar decisão do ministro do STF Luís Roberto Barroso que determinou que o Senado desse seguimento à criação da CPI da Covid, o que aconteceu na terça-feira (13).

"Quando eu vi, fiquei chateado. Por que fiquei chateado? Por que investigar omissões minhas, não quem pegou dinheiro na ponta da linha?", indagou o presidente.

Bolsonaro voltou a cobrar o prosseguimento de pedidos de impeachment de ministros do Supremo e reiterou que considera a decisão de Barroso sobre a criação da CPI uma intromissão do STF no Legislativo.

"Daí cria-se este clima de animosidade. É uma interferência, sim, deste ministro junto ao Senado para me atingir", afirmou.
Daniel Carvalho/Folhapress
PUBLICIDADE
Continue lendo
Crise sanitária e econômica

Milhares saem às ruas do país em novos protestos pelo impeachment de Bolsonaro

19 JUN 2021 às 12h51
Serviços gerais

Barbosa Neto é condenado pela Justiça por aditivo irregular em contrato com empresa

18 JUN 2021 às 19h07
Em revisão na Câmara

Deputados do PR votam em peso pelo afrouxamento da lei de improbidade administrativa

18 JUN 2021 às 17h43
Fique atento!

UBSs exclusivas para síndromes respiratórias abrirão neste fim de semana em Londrina

18 JUN 2021 às 17h13
Dançou...

Boate de Maringá é multada em R$ 10 mil por descumprir decreto municipal

18 JUN 2021 às 16h09
Gesto de boicote

Senadores da CPI da Covid deixam depoimento de defensores de tratamento ineficaz

18 JUN 2021 às 15h10
Veja mais e a capa do canal
JORNAIS
Folha de Londrina
TELEVISÃO
MultiTV Cidades
OUTRAS EMPRESAS
Grafipress
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Bonde - Todos os direitos reservados