13/04/21
PUBLICIDADE
Saiba mais

Bolsonaro pretende testar spray nasal contra Covid-19 no Brasil

Marcos Corrêa/PR
Marcos Corrêa/PR


O spray nasal EXO-CD24, originalmente desenvolvido para combater câncer de ovário, deverá ser testado no Brasil contra Covid-19, segundo anunciou o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) em sua rede social nesta segunda-feira (15).


A droga, no entanto, ainda não possui eficácia comprovada para o combate ao coronavírus.

"EXO-CD24 é um spray nasal desenvolvido pelo Centro Médico de Ichilov, em Israel, com eficácia próxima de 100% (29/30), em casos graves, contra a Covid", escreveu Bolsonaro em suas redes sociais. "Brevemente será enviado à Anvisa [Agência Nacional de Vigilância Sanitária] o pedido de análise para uso emergencial do medicamento."
Em um ensaio clínico de fase 1, o primeiro a testar o fármaco em humanos, os cientistas disseram que 29 dos 30 pacientes que receberam o spray nasal, todos com casos moderados a graves de Covid-19, receberam alta entre 3 a 5 dias após o tratamento.

Não foram divulgadas informações sobre o acompanhamento destes pacientes após a recuperação, tampouco efeitos colaterais nos mesmos. O estudo ainda não foi publicado oficialmente.

Por ser um ensaio ainda inicial, os pacientes não foram divididos em dois grupos, um que recebeu o remédio e outro que recebeu um placebo. Assim, são necessárias mais pesquisas com maior número de voluntários e com o chamado padrão-ouro de ensaio clínico (controlado, randomizado e duplo-cego), para comprovar a eficácia do EXO-CD24 para Covid-19.

Bolsonaro já havia anunciado, na última sexta-feira (12) que, após uma conversa com o primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, o Brasil seria palco para condução de um ensaio clínico com a droga experimental.

"Dentre outros assuntos, tratamos da participação do Brasil na 3ª fase de testes do spray EXO-CD24, medicamento israelense que, até o momento, vem obtendo grande sucesso no tratamento da Covid-19 em casos graves", escreveu Bolsonaro em suas redes sociais.

Nesta segunda-feira, após uma conversa com Netanyahu no último domingo (14), o presidente reafirmou o interesse em avaliar a droga experimental no país. Até o momento, a Anvisa não informou se tal pedido de uso emergencial ou de condução de ensaios clínicos foi recebido.

A ação da droga é semelhante à de outros medicamentos que já foram e vem sendo testados contra a Covid-19 e cujo objetivo é impedir a chamada tempestade de citocinas, ou seja, uma reação exacerbada do sistema imune que faz com que o organismo ataque o próprio corpo, e não o vírus.

A droga israelense consiste em levar às células pulmonares via exossomos -pequenas vesículas que transportam substâncias entre as células- uma proteína, chamada CD24, que diminui o processo inflamatório e restabelece o equilíbrio ao sistema imunológico.

Pesquisas com a proteína CD24 vêm sendo desenvolvidas há décadas como tratamentos inovadores de câncer. No caso do tratamento de pacientes com câncer, a proteína CD24 é usada como alvo imunoterápico, por ser a responsável por impedir o combate natural do corpo aos tumores. Bloqueando a ação da CD24, o corpo reage à doença e ataca o tumor.

No caso do tratamento contra a Covid-19, o uso do spray nasal foi escolhido por levar a droga diretamente aos pulmões, não tendo assim uma ação generalizada em todo o corpo.

Pesquisador principal do estudo em Israel, o médico Nadir Arber disse ao jornal Times of Israel que o novo tratamento consiste em uma "grande descoberta", e que o uso recomendado é a inalação uma vez ao dia durante alguns minutos, por cinco dias. "A fórmula de spray direciona a droga diretamente ao 'coração' da tempestade de citocinas -os pulmões-, por isso, ao contrário de outras formulações, que restringem seletivamente uma determinada citocina, ou agem de maneira generalizada, podendo causar efeitos colaterais, a EXO-CD24 é administrada localmente, funciona amplamente e não possui efeitos colaterais."

É preciso, agora, conduzir mais estudos com a droga, disseram os pesquisadores do hospital, mas há aposta de que seja uma "droga revolucionária" contra Covid-19.

Outras drogas estudadas para Covid-19, no entanto, apresentaram resultados promissores em estudos pequenos, com quantidade limitada de participantes, e depois não conseguiram comprovar sua eficácia para o tratamento nem de casos leves, nem moderados ou graves de Covid-19, como a hidroxicloroquina e a ivermectina -esta última, apenas com resultados in vitro satisfatórios, mas que caiu ao ser testada em humanos.

Recentemente, a droga tocilizumabe, um anti-inflamatório, apresentou resultados positivos em impedir o uso de ventilação mecânica para pacientes internados com Covid-19.
Ana Bottallo - Folhapress
PUBLICIDADE
Continue lendo
Jardim Leonor

Empresa de serviços digitais anuncia geração de 250 empregos em Londrina

12 ABR 2021 às 21h48
Paralisação

Justiça determina que TCGL e Londrisul comprovem pagamento de salários a motoristas

12 ABR 2021 às 19h40
Em reunião com Beto Preto

Prefeito de Cambé indica mudanças no enfrentamento da pandemia

12 ABR 2021 às 17h12
INSS

Revisão do auxílio emergencial 2021 paga nascidos de janeiro a maio na quinta (15)

12 ABR 2021 às 16h31
Falas sobre senador

Vou ter que sair na porrada com um bosta desses, diz Bolsonaro em caso da CPI da Covid

12 ABR 2021 às 16h07
Omissões no combate à pandemia

Senador diz ter assinaturas para ampliar investigação da CPI da Covid

12 ABR 2021 às 16h00
Veja mais e a capa do canal
JORNAIS
Folha de Londrina
TELEVISÃO
MultiTV Cidades
OUTRAS EMPRESAS
Grafipress
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Bonde - Todos os direitos reservados