Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
Vai ter que pagar

Britânia é condenada por assédio eleitoral a funcionária ao promover ação a favor de Bolsonaro

José Marcos Lopes - Especial para a Folha
19 nov 2023 às 14:00
- Tânia Rego/Agência Brasi
siga o Bonde no Google News!
Publicidade
Publicidade

O Tribunal Regional do Trabalho da 9ª Região (TRT9) condenou a empresa de eletrodomésticos Britânia, com sede em Curitiba, a indenizar em R$ 50 mil uma funcionária por assédio eleitoral cometido durante a campanha presidencial do ano passado. 


Demitida por justa causa por se manifestar em uma rede social, a funcionária será indenizada em R$ 50 mil. O TRT9 ainda reverteu a demissão por justa causa. O julgamento foi na última terça-feira (14).


Segundo o TRT9, a empresa utilizou meios de comunicação internos para fazer propaganda eleitoral, o que é proibido. Na ação consta que o presidente da empresa visitava os setores e fazia discursos ressaltando sua posição política e criticando o candidato da oposição à presidência, Luiz Inácio da Lula da Silva.

Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade
Publicidade


Materiais de campanha eram divulgados e a área de trabalho dos computadores teria sido alterada para remeter à propaganda do então presidente e candidato à reeleição Jair Bolsonaro. A empresa ainda distribuiu camisetas verde e amarelas, que remetiam à campanha de Bolsonaro.

Leia mais:

Imagem de destaque
Indicado por Lula

Flávio Dino toma posse como ministro do STF nesta quinta-feira

Imagem de destaque
'não é um político tradicional'

Haddad afirma que fala de Lula sobre Gaza foi grito de socorro

Imagem de destaque
Manifestação na Av. Paulista

Bolsonaro pode ser preso se incitar crime durante ato no domingo na avenida Paulista

Imagem de destaque
Tentativa de golpe

Bolsonaro tem novas derrotas no STF ao tentar afastar Moraes de inquérito e ser dispensado de ir à PF


Em uma semana na qual trabalhava em home-office, a funcionária postou em uma rede social que, fora do ambiente de trabalho, não precisava usar a camiseta fornecida pela empresa, fazendo referência à tentativa de interferência na liberdade política dos empregados. 

Publicidade


Menos de uma semana depois, ela foi demitida por justa causa, com a alegação de ter difamado a empresa.


Para a desembargadora Cláudia Cristina Pereira, relatora do acórdão, a funcionária “agiu como forma de defesa à sua integridade moral, pois se sentia coagida a usar a camiseta destinada à campanha eleitoral de partido político e candidato com os quais não se afeiçoa. Logo, foi a conduta ilícita da reclamada que deu azo à retaliação da autora”. 

Publicidade


A magistrada destacou ainda que a trabalhadora não tinha histórico de faltas cometidas em oito anos de atuação e considerou que a empresa agiu com excesso de rigor.


Pouco antes do segundo turno das eleições, o presidente da Britânia, César Buffara, fez um pequeno discurso para funcionários e distribuiu camisetas verde e amarelas.


Leia a reportagem completa na FOLHA DE LONDRINA:


Imagem
Britânia é condenada por assédio eleitoral a favor de Bolsonaro
Empresa,que utilizou meios de comunicação internos para fazer propaganda eleitoral, terá de pagar R$ 50 mil a uma funcionária
Publicidade

Últimas notícias

Publicidade