Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
Em primeiro turno

Câmara aprova projeto para inclusão de surdos em concursos públicos em Londrina

Redação Bonde com CML
11 abr 2024 às 19:40
- Fernando Cremonez/Ascom/CML
siga o Bonde no Google News!
Publicidade
Publicidade

A CML (Câmara Municipal de Londrina) aprovou nesta quinta-feira (11), em primeiro turno, na forma do Substitutivo nº 1, o PL (Projeto de Lei) nº 107/2023, proposto pelo vereador Giovani Mattos (PSD), que estabelece critérios diferenciados para a correção de provas discursivas e de redação de candidatos surdos ou com deficiência auditiva em concursos públicos e testes seletivos realizados pelo município, garantindo equidade de tratamento.


O PL altera a lei municipal nº 7.780/1999, que reconhece oficialmente em Londrina, como meio de comunicação objetiva e de uso corrente, a linguagem gestual codificada na Libras (Língua Brasileira de Sinais). O objetivo do projeto 107/2023 é incluir nessa lei a previsão de que “deverão ser instituídos critérios que valorizem o aspecto semântico e sintático, em detrimento do aspecto estrutural da linguagem, fazendo-se a distinção entre ‘conhecimento’ e ‘desempenho linguístico’”. Isso porque a Língua Brasileira de Sinais, utilizada pelos surdos, possui estrutura diferente da Língua Portuguesa, que é a língua cobrada nos concursos públicos.

Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade


A proposta também indica que os concursos públicos realizados pelo município deverão prever a disponibilização de intérpretes de Libras para a correção das provas dos candidatos surdos ou com deficiência auditiva que solicitarem o serviço no prazo previsto em edital. “Tivemos reunião com a Associação dos Surdos de Londrina e eles nos passaram algumas dificuldades que têm na hora de redigirem redações nos concursos. A língua primeira dos surdos é a Libras, cujo processo de raciocínio é diferente do da língua portuguesa comum. Uma pessoa que não entende isso, se for corrigir a redação do surdo, vai dizer que ele escreveu errado, fora da ordem de escrita. O profissional de Libras está apto a compreender essas diferenças”, explicou Mattos.

Leia mais:

Imagem de destaque
Acordo com MPPR

Ex-prefeito de Ivaiporã Pedro Papin vai devolver mais de R$ 1,3 milhão à Prefeitura

Imagem de destaque
Coronel do Exército

Alexandre de Moraes solta ex-assessor de Bolsonaro investigado por trama golpista

Imagem de destaque
Entenda!

Estudo avalia reduzir número de cidades da Região Metropolitana de Londrina

Imagem de destaque
Sai Alexandre de Moraes

André Mendonça, ministro do STF, é eleito para o TSE


Professora de cursinho preparatório para concursos, a vereadora Flávia Cabral (PP) ressaltou a importância de garantir que todos os cidadãos, independentemente de suas condições físicas, tenham igualdade de oportunidades. “A sintaxe da Libras é diferente da sintaxe da língua portuguesa. Não podemos penalizar o candidato que tenha o conhecimento, mas a forma de expressão desse conhecimento seja diferenciada. É um projeto necessário. A intenção é que essas pessoas deixem de ser invisíveis diante da sociedade”, defendeu Cabral. 

Publicidade

Últimas notícias

Publicidade