Pesquisar

Canais

Serviços

Guilherme Marconi - Grupo Folha
Continua depois da publicidade
Continua depois da publicidade
Nesta terça

Câmara de Londrina rejeita votação em urgência de projeto que suspende vacinação obrigatória de servidores

Guilherme Marconi - Grupo Folha
26 out 2021 às 20:03
Continua depois da publicidade

Com nove votos favoráveis e nove contrários, o pedido de urgência de tramitação para o projeto de lei que pretende sustar os efeitos do decreto municipal 1092 foi rejeitado pela Câmara Municipal de Londrina.  Um grupo de vereadores queria discutir nesta terça-feira (26) a proposta que visa suspender  a vacinação obrigatória dos servidores da Prefeitura de Londrina instituída por regra assinada pela gestão Marcelo Belinati no dia 28 de setembro.

Continua depois da publicidade
PUBLICIDADE


Com a derrota parcial, o projeto volta a seguir o rito normal dos demais projetos, com tramitações pelas comissões de Justiça e temática nas próximas semanas e terá ser votada em plenário, em dois turnos. 

Continua depois da publicidade
Continua depois da publicidade


Do lado de fora da Casa, manifestantes protestavam em favor da revogação, entre eles alguns funcionários públicos contrários à medida. Dentre os 10 mil servidores municipais de Londrina, apenas 135 não tomaram a vacina contra a Covid-19, segundo levantamento feito pela Secretaria Municipal de Recursos Humanos, o que representa 1,35% do total do funcionalismo. 


A matéria foi protocolada pelo vereador Claudemir dos Santos, Santão (PSC) na última sexta-feira (22) e recebeu assinatura de mais cinco vereadores:  Jessicão (PP), Giovani Mattos (PSC); Emanoel Gomes (Republicanos); Mara Boca Aberta (Pros) e Roberto Fú (PDT).   "Infelizmente nós perdemos e a democracia venceu, mas infelizmente com a tramitação normal desse projeto até lá muitos pais de família perderão seus empregos", disse Santão.  


CONTINUE LENDO NA FOLHA DE LONDRINA.

Continue lendo