15/07/20
24º/16ºLONDRINA
Escândalo de corrupção

Caso AMA/COMURB: Londrina foi 'laboratório' de Janene e Youssef

Antes de se tornar nacionalmente conhecido por ser um dos pivôs do escândalo do Mensalão no governo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), em 2005, o ex-deputado federal José Janene, falecido em 2010, alcançava fama em Londrina – sua base eleitoral – como uma das figuras centrais do esquema AMA/Comurb, escândalo de corrupção e desvio de dinheiro da terceira administração do ex-prefeito Antonio Belinati, cassado pela Câmara há 15 anos, conforme reportagens publicadas pela FOLHA nas edições de domingo e de segunda-feira.

Responsável pela indicação de pelo menos metade das diretorias da AMA e da Comurb e de vários assessores de segundo escalão, Janene era "meeiro" de Belinati na administração desses órgãos, conforme expressão do MP. Assim, o deputado foi beneficiário direto – conforme várias ações ajuizadas contra ele – dos desvios. O dinheiro era usado para pagar dívidas de sua campanha de 1998.




Em uma das licitações fraudadas, o MP demonstrou que Janene, possivelmente confiante na impunidade, depositou cheque de R$ 36,9 mil em sua própria conta bancária. O cheque foi emitido para uma empresa participante do esquema, que "venceu" a licitação na modalidade carta-convite, mas, de fato jamais prestou serviços à AMA ou a à Comurb.

De acordo com as ações e depoimento do próprio Antonio Belinati ao MP, o então pepebista indicou Mauro Maggi, Nelson Kohatsu e Julio Bittencourt com presidente, diretor administrativo-financeiro e diretor operacional da AMA, respectivamente. Na Comurb, coube ao deputado escolher o diretor administrativo-financeiro, Eduardo Alonso, e indicar os ocupantes de cargos de assessoria e gerência. A presidência, exercida primeiramente por Cleber Toffoli e, em seguida, por Kakunen Kyosen partiu de um acordo entre o deputado e o prefeito.

O advogado de Belinati, Antonio Carlos de Andrade Vianna, disse que Janene manteve um relacionamento muito próximo ao ex-prefeito de Londrina até os seus últimos dias. Conforme o advogado, "o Janene ajudou muito nas administrações do Belinati, foram parceiros nas primeiras eleições e amigos até o fim". "Se viam quase que semanalmente." Questionado sobre o envolvimento de Janene no escândalo Ama/Comurb e suposta canalização de recursos para a campanha dele à época, Vianna evitou a polêmica. "Isso fica por conta da Justiça."

Outra figura notável no esquema AMA/Comurb, que também viria a ganhar notoriedade nacional especialmente em 2014, com a operação Lava Jato, é o doleiro Alberto Youssef. Conhecido das autoridades federais desde o início da década de 1990 por operações de lavagem de dinheiro, Youssef acabou preso em 5 de dezembro de 2000 em decorrência das investigações do AMA/Comurb. Os promotores de Londrina descobriram que ele operava mais de 30 contas de empresas fantasmas abertas na agência centro do então Banestado. Por meio de quebras de sigilo bancário, o MP rastreou o depósito de R$ 120 mil na conta da empresa fantasma Freitas & Dutra. O dinheiro vinha de uma licitação fraudada na AMA.

A Freitas e Dutra, conforme denúncia que tramita na 4ª Vara Criminal de Londrina, foi aberta pela suposta quadrilha de Youssef com dados de duas pessoas que haviam perdido seus documentos e com foto de um "laranja", um lavrador de Florestópolis. Toda a diretoria do Banestado foi acusada pela fraude, uma vez que, segundo o MP, conhecia o propósito criminoso de Youssef. Na esfera civil, o doleiro responde a uma ação por improbidade administrativa por ter recebido cheque de R$ 50 mil também de dinheiro desviado da prefeitura Londrina em maio de 1999.

Para a promotora Leila Shimiti, "Londrina foi o grande laboratório para técnica desenvolvida depois pelos hoje ainda protagonistas desses grandes escândalos nacionais", referindo-se à participação de Janene e de Youssef nos esquemas do Mensalão e dos desvios da Petrobras apurados pela Lava Jato. "O primeiro caso concreto, de repercussão, que nós tivemos com o envolvimento dessas duas figuras foi em Londrina. José Janene trazendo esse modo de operação das empresas de fora, das concorrências fraudadas e o Youssef com o know-how da lavagem de dinheiro", historiou. "Naquela época, Youssef já estava colocando em prática um mecanismo de lavagem de dinheiro antes da própria lei ou concomitante à própria lei que viria a tratar especificamente da ocultação de bens, em 1998", acrescentou.
Loriane Comeli e Edson Ferreira - Folha de Londrina
Continue lendo
Londrina
Comércio reabre nesta quarta após encerramento da 'quarentena de Ratinho'
14 JUL 2020 às 20h05
Paraná
Governo não renova decreto que determinou quarentena em Londrina e sete regiões
14 JUL 2020 às 18h42
28 foram roubados
PM recupera 21 notebooks furtados de Escola Municipal em Rolândia
14 JUL 2020 às 18h10
Tecnologia
Caiu aí? WhatsApp enfrenta instabilidade e afeta usuários nesta terça
14 JUL 2020 às 17h27
Sustentabilidade
Primeiro Ecoponto em funcionamento estimula destinação correta de lixo em Maringá
14 JUL 2020 às 17h11
Medidas temporárias
Confira pagamentos e tributos adiados ou suspensos durante pandemia
14 JUL 2020 às 16h06
Veja mais e a capa do canal
JORNAIS
Folha de Londrina
TELEVISÃO
MultiTV Cidades
OUTRAS EMPRESAS
Grafipress
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Bonde - Todos os direitos reservados