Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Após quatro meses

Congresso retoma trabalhos na próxima semana

Redação - Bonde
04 nov 2006 às 14:28
siga o Bonde no Google News!
Publicidade
Publicidade

O Congresso Nacional tenta retomar os trabalhos legislativos na semana que vem depois de quase quatro meses de paralisia. Nos três meses que antecederam as eleições, a Câmara e o Senado realizaram três esforços concentrados para a votação de matérias consideradas prioritárias. No Senado, foram aprovadas Medidas Provisórias com o prazo de urgência constitucional vencido e projetos como o que prorroga prazos da lei Kandir.

Na Câmara, além de MPs os deputados conseguiram apenas no último esforço concentrado antes do primeiro turno votar a lei geral das micro e pequenas empresas e a PEC (proposta de emenda constitucional) que acaba com o voto secreto no Legislativo. As duas propostas seguiram para votação no Senado, onde ainda não foram apreciadas.

Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade
Publicidade


Apesar da Câmara e do Senado terem realizado votações no período pré-eleitoral, muitos parlamentares reconhecem que a produção legislativa foi baixa no segundo semestre deste ano se comparada a períodos anteriores. Antes das eleições, o Congresso viveu três meses de recesso branco, com apenas nove dias de trabalho nos esforços concentrados. Esta semana, a primeira depois das eleições, o Congresso também ficou vazio, sem votações.

Leia mais:

Imagem de destaque
Insanidade

Críticas à omissão do governo em PL Antiaborto por Estupro fazem Lula mudar de discurso

Imagem de destaque
Entenda

Empreiteiras recusam proposta sobre multas da Lava Jato, e governo Lula tenta novo acordo

Imagem de destaque
Comunicações

Ministro de Lula pede ao STF trancamento de inquérito após ser indiciado pela PF

Imagem de destaque
Câmara

Bancada evangélica quer definição de relator do PL antiaborto, e esquerda, adiar discussão


Os deputados usaram a crise no setor aéreo e a ressaca eleitoral como justificativa para o esvaziamento do Congresso. Muitos continuam pessimistas sobre o ritmo acelerado de votações até o final do ano. Mas o presidente da Câmara, Aldo Rebelo (PC do B-SP), aposta na retomada dos trabalhos legislativos na semana que vem. Aldo disse esperar que os deputados retornem a Brasília na terça-feira para a votação das 10 Medidas Provisórias que trancam a pauta de votações.

Publicidade


O líder do governo na Câmara, deputado Arlindo Chinaglia (PT-SP), também acredita que o Congresso retornará à normalidade passadas as eleições. Demonstrando otimismo, o líder disse esperar que a previsão pessimista de muitos deputados sobre as votações não se confirme. "Houve um esvaziamento no período pré-eleitoral. A gente não pode se dar o direito de perder dois meses de trabalho. Temos que trabalhar para garantir votações importantes ainda este ano", disse.


Já o líder do PT na Câmara, deputado Henrique Fontana (SP), também acredita que os deputados e senadores vão atender ao chamado do governo para as votações. "Foi uma semana perdida, com problemas nos vôos e ressaca eleitoral. Mas na próxima semana temos que estar fortes para votar", disse.

Publicidade


Ao contrário da grande maioria dos parlamentares, o presidente da Câmara não emendou o feriadão de Finados. Aldo foi um dos únicos deputados presentes na Câmara nesta sexta-feira. Disse que ficou em Brasília para trabalhar e resolver problemas administrativos da Casa. "Temos uma agenda para cumprir. A Câmara acumulou muito trabalho e tive que ficar para dar prosseguimento a atos administrativos", disse.


Pauta - Entre as MPs que aguardam votação na Câmara, a mais polêmica é a que concede reajuste de 5,01% para os aposentados e pensionistas do INSS que recebem acima de um salário mínimo. A oposição insiste no reajuste de 16,67%, percentual concedido pelo governo na correção do salário mínimo.

Publicidade


Líderes do governo admitem, nos bastidores, que dificilmente será possível firmar acordo com a oposição para manter o percentual de 5%. Os governistas temem não conseguir maioria de deputados no plenário para a aprovação da MP.


Outra prioridade dos deputados é a votação da PEC (proposta de emenda constitucional) que institui o Fundeb (Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica). A PEC só pode entrar na pauta depois da votação das 10 MPs. Apesar da dificuldade nas negociações, o presidente da Câmara acredita na votação da PEC nos próximos dias. "Todos os líderes têm consciência de que as MPs precisam ser votadas, precisamos desobstruir a pauta", afirmou Aldo.

No Senado, a pauta está trancada por quatro Medidas Provisórias. Também esperam para serem apreciados projetos como a lei geral da micro e pequena empresa e a PEC que torna obrigatória a presença do presidente da República no Congresso no início do ano legislativo. (Folha Online)


Publicidade

Últimas notícias

Publicidade